Julio Cortázar e Carol Dunlop

Carol Dunlop e Julio Cortázar

“A outra vez que voltei a vê-lo, em Londres, com nova companheira, era outra pessoa. Havia deixado crescer o cabelo e tinha umas barbas ruivas e imponentes, de profeta bíblico. Me fez levá-lo a comprar revistas eróticas e falava de maconha, de mulheres, de revolução, como antes de jazz e de fantasmas (...) Tenho a suspeita de que teve uma vida mais intensa e, certamente, mais feliz que aquele de antes em que, como escreveu, a existência se resumia para ele num livro. Pelo menos, todas vezes que o vi, me pareceu jovem, exaltado, disposto”, escreveu Mario Vargas Llosa na introdução aos Cuentos completos de Julio Cortázar. Para o Prêmio Nobel peruano – amigo do escritor argentino – “o de antes”, era o Cortázar que não conhecia a sua última e “nova companheira”, a estadunidense Carol Dunlop, sobre quem pouco se sabe. Até agora.

O canadense Tobin Dalrymple trabalha com o argentino Poll Pebe Pueyrredón no documentário Julio & Carol. Los exploradores de la comospista, uma alusão a Os autonautas da cosmopista, o único livro escrito a quatro mãos e o penúltimo que Cortázar publicou em vida e em que registraram, à sua maneira, a viagem de camioneta que fizeram durante 33 dias entre Paris e Marselha. “Já gravamos sete entrevistas em quatro países (França, Suíça, Canadá e Argentina) e falta a montagem das imagens. Queremos apresentar o filme durante do Festival Internacional de Toronto, em setembro”, explica o diretor em entrevista para a Revista Enie. Dalrymple gastou as economias de toda uma vida – 25 mil dólares – para financiamento do filme e agora busca mais dinheiro através de crowfunding (uma vaquinha virtual) para concluir o trabalho. O desejo de fazer este filme nasceu quando terminou sua história de amor com a argentina que lhe introduziu ao universo cortazariano.

O filme é o relato do último livro de Cortázar e de sua história de amor. O livro é triste, porque nos últimos capítulos, o leitor descobre que a Osita – assim Cortázar chamava Dunlop – está próxima da morte. É um livro muito romântico, mas muito triste; muito real, afinal ele também estava morrendo com ela. É uma grande história que as pessoas e mesmo os leitores da obra de Cortázar não conhecem muito.  

Cortázar e o filho Stephan.

Carol era uma pessoa muito privada e não se deixava abater por nada. Era uma menina grande, como Cortázar. Ambos gostavam de brincar. Nos autonautas é muito difícil saber quem fala, porque suas visões de mundo são muito próximas. “Fiz a viagem e não há nada muito interessante em viver numa pista, mas para eles era uma aventura, a melhor do mundo” – lembra Dalrymple. Quiseram deixar este livro como um legado – sua visão de mundo – para seu filho Stephan, que costumava viajar com Cortázar e ela. É incrível a dedicação de Carol ao trabalho: era fotógrafa, tradutora, tinha três romances publicados e até hoje outra montanha de textos do gênero ainda inéditos.

Depois de divulgada a novidade recente de que Cortázar morreu por complicações causadas pela AIDS, de acordo com entrevista de Cristina Peri Rossi, divulgada no jornal Clarín, Dalrymple, prefere ficar com a hipótese de que foi, sim, um câncer o que levou a morte dos dois. Só a título de fechar este parêntesis sobre o caso, Rossi diz que Cortázar foi contaminado durante uma transfusão de sangue em agosto de 1981, quando morava no sul da França, depois de uma hemorragia estomacal. Na época, a doença ainda não havia sido identificada. Rossi diz que depois de um grande escândalo no hospital em que o escritor foi atendido ficou provado que o sangue utilizado na transfusão estava contaminado; o diagnóstico de câncer nunca foi feito e depois de várias consultas Cortázar foi apenas identificado como portador de uma infecção não determinada provocada por um retrovírus e sem tratamento. Com o vírus, Julio teria passado a doença para Carol que morreu dois anos antes dele devido sua imunidade estar muito abaixo da do companheiro: Carol havia se submetido à retirada de um rim numa cirurgia.



Não se toca tanto sobre a importância de Carol para a vida de Cortázar apenas por uma forma de que a memória costume guardar melhor os nomes mais atuais – concorda Dalrymple. E por isso o documentário. Perguntado se a presença de Aurora, o nome mais conhecido da companheira de Cortázar, não teria uma incursão nesse esquecimento, o cineasta desconversa: “Aurora e Cortázar foram amigos durante toda a vida; Carol era como um anjo e cada pessoa que entrava em sua vida ela queria bem. estiveram muito próximas, eram amigas, não havia ciúmes, nem nada parecido”.

Dalrymple concorda que o filme não é também um resgate; mas uma forma de homenagem ao escritor. Decerto Cortázar e Carol constituem mais um dos pares importantes para a cena da literatura e das artes como foram Jean-Paul Sartre de Simone de Beauvoir, José Saramago e Pilar del Río, Jorge Amado e Zélia Gattai...  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268