Boletim Letras 360º #233

No dia 3 de setembro a página do Letras no Facebook realiza mais um sorteio: Os Bruzundangas / Numa e ninfa, de Lima Barreto, edição especial da Editora Carambaia. O livro foi escolhido depois do resultado da votação realizada no grupo também na mesma rede social. Então, interessados em dar uma chance à sorte, basta nos visitar e seguir as metas necessárias e, claro, fazer sua inscrição.

Nos 30 anos da morte de Carlos Drummond de Andrade, uma edição especial recupera diários do poeta.


Segunda-feira, 21/08

>>> Brasil: Novo livro de Milton Hatoum deve sair em outubro

Nos últimos dois anos sempre a mesma expectativa: a publicação do novo romance de Milton Hatoum. Mas, agora, parece que vai. A notícia foi divulgada no jornal “Folha de São Paulo” de que a Companhia das Letras publicará a obra em outubro. “O lugar mais sombrio” é uma trilogia que se passa em três lugares diferentes: o segundo será em São Paulo e o terceiro, em Paris. A narrativa cobre pelo menos uma década em cada romance, começando por entre os anos 1960 e 1970 no primeiro, A noite da espera.

>>> Brasil: Uma caixa reúne quatro obras de Liev Tolstói

Anna Kariênina, Ressurreição, A morte de Ivan Ilitch e Senhores e servos. As edições são traduções indiretas revistas e reunidas numa caixa no âmbito das coleções com grandes escritores e grandes obras editadas pela Nova Fronteira. O primeiro, traduzido pelo escritor Lúcio Cardoso, dispensa apresentações. É considerado o romance mais importante de Tolstói depois de Guerra e paz e um dos maiores da literatura universal; elabora um tratado sobre moral, infidelidade e amor, bem como uma exposição dos valores da aristocracia russa do fim do século XIX. A tradução de Ressurreição foi realizada por Ilza das Neves e Heloisa de Oliveira Penteado; este é o último romance do escritor russo, um libelo contra a hipocrisia e a burocracia russas, bem como uma denúncia contundente contra a arbitrariedade dos tribunais da época. E A morte de Ivan Ilitch e "Senhores e servos" que formam o terceiro volume da caixa foram traduzidos por Marques Rebelo. Nos dois textos o grande protagonista é a morte, que, se na primeira narrativa provoca um questionamento individual, uma busca pelo sentido da vida, na segunda aponta para a relação desigual entre senhor e servo, ressignificada pela situação extrema porque passam os personagens.

>>> Estados Unidos: Na próxima releitura de O retrato de Dorian Gray, a personagem principal será vivida por uma mulher

A obra clássica de Oscar Wilde já mereceu diversas adaptações para o cinema e para a televisão; mas a agora anunciada quer ampliar o universo de possibilidades com a narrativa de um mistério entre um homem e seu retrato - este marcado pelas intempéries do tempo enquanto aquele permanece sempre jovem. A nova adaptação, ainda sem previsão para as gravações e, logo para a estreia, será conduzida pela cantora estadunidense St. Vicent. O roteiro de David Birk (do polêmico Elle que rendeu à francesa Isabelle Huppert uma indicação ao Oscar) colocará uma mulher no papel de Dorian Gray. A única incurso de Vicent no universo cinematográfico foi uma antologia de curtas de terror dirigidos apenas por mulheres cuja estreia se passou neste ano no Festival de Sundance deste ano.

Terça-feira. 22/08

>>> Brasil: Uma lacuna a ser corrigida. Em breve, teremos novas edições da obra de James Baldwin

A Companhia das Letras comprou os direitos de três livros de do escritor: Another Country, Giovanni's Room e If Beale Street Could Talk. Baldwin se tornou referência na literatura estadunidense ao tratar de questões raciais, sociais e de gênero.

>>> Brasil: Julian Barnes ensaísta

Ganhador do Man Booker Prize e um dos principais nomes da literatura britânica, Julian Barnes transita entre o romance, o conto e o ensaio com destreza e naturalidade. Em Mantendo um olho aberto, tradução de Pedro Süssekind que sai no Brasil pela Editora Rocco, o ficcionista dá lugar ao intelectual, sem abrir mão do prazer da narrativa, numa série de ensaios sobre arte. Focalizando quase dois séculos de produção pictórica, Barnes conduz o leitor pelo labirinto de tendências, escolas, estilos, correntes e vertentes que compõem o universo da pintura, analisando desde obras clássicas, como A balsa da Medusa, de Géricault, até os perturbadores nus de Lucien Freud, neto do inventor da psicanálise; do cubismo à pop art; de pintores badalados como Cézanne e Delacroix a mestres pouco populares, como Vuillard e Juan Gris, sempre movido pela convicção de que a pintura não se limita a capturar a emoção do mundo exterior e que a ambição maior da arte é renovar nossa visão de mundo.

Quarta-feira, 23/08

>>> Brasil: Diários de Carlos Drummond de Andrade serão publicados 30 anos depois da morte do poeta

Recordações íntimas sobre a família, passagens tristes de seus dias. Escritos sem pretensão literária. Quando Carlos Drummond de Andrade publicou O observador no escritório, em 1985, ele optou por não incluir essas páginas soltas de seu diário. Confiado à filha Maria Julieta e herdado pelo neto Pedro, o material será reunido em Uma forma de saudade – páginas de diário, que a Companhia das Letras lança em outubro, no Dia D, quando eventos são realizados para lembrar o poeta em seu aniversário. O livro, em tiragem limitada e projeto gráfico especial, fora da coleção de Drummond que a editora publica desde 2012, contará, ainda, com uma árvore genealógica, fotos da família, fac-símiles do diário e poemas dele sobre esse tema.

>>> Brasil: O inédito de Haroldo de Campos. Graal: legenda de um cálice

Sagrado, Profano, Mefistofáutico. Poesia, drama e encenação se entrelaçam na fantástica fábrica de invenções haroldianas. Não é pouca coisa deparar-se com um texto inédito de Haroldo de Campos. A qualidade literária, as surpresas de linguagem, o domínio técnico por si só garantem o prazer da leitura. Mas surpreende, todavia, a atualidade crítica do texto, nos impelindo a uma compreensão trágica - bufotrágica, para usar a expressão do poeta - do mundo contemporâneo. Unica peça de teatro escrita pelo poeta, seu universo alegórico, satírico, farsesco, pleno de símbolos, mitos e fantasias mal faz referências a coisas e pessoas reais; mas forma um retrato multidimensional dos mais nítidos da nossa realidade. A edição é da Editora Perspectiva.

Quinta-feira, 24/08

>>> Brasil: Zero K, o novo livro de Don DeLillo

Quando, a convite do pai, o jovem Jeffrey Lockhart viaja a uma zona remota do planeta para dizer adeus à madrasta, Artis, debilitada por uma doença degenerativa, ele se depara com algo com que nunca sonhou. Artis está, na verdade, prestes a ser depositada em uma cápsula criogênica, em um imenso complexo médico e tecnológico projetado para armazenar corpos humanos por tempo indeterminado. Exposto a dispositivos insólitos, Jeffrey é forçado então a avaliar suas percepções e crenças. Do distanciamento do pai à morte da mãe, ele se vê diante de uma série de lembranças dolorosas, que parecem determinantes para seu futuro. Enxergando mais longe do que qualquer outro escritor, Don DeLillo parte de uma realidade ainda incipiente - as técnicas de criogenia que prometem nada menos do que a superação da morte - para arquitetar uma narrativa surpreendente, com ares de ficção científica, sobre os mistérios da vida e da morte.

Sexta-feira, 25/08

>>> Brasil: Uma nova obra de Júlio Verne

Como anunciado por aqui, eis a edição de O testamento de um excêntrico. A tradução de Regina Schöpke e Mauro Baladi é primeiro título de Verne na Carambaia. Publicado em 1899, foi um dos últimos romances escritos pelo francês; o escritor que se tornou célebre no mundo todo por suas viagens extraordinárias cria uma história que se passa inteiramente nos Estados Unidos e traça um panorama detalhado do país e de suas diversas regiões no final do século XIX. William J. Hypperbone, o excêntrico do título, é um milionário de Chicago que não tem herdeiros e resolve deixar sua fortuna estimada em 60 milhões de dólares para aquele que, entre seis concorrentes escolhidos por sorteio, chegar antes ao final de um jogo de tabuleiro. "O testamento..." é fruto de uma fase madura de Verne. O projeto gráfico do livro foi desenvolvido por Celso Longo. A partir da atmosfera americana que inspirou Verne na ficção, o volume é ilustrado por fotografias e mapas dos Estados Unidos da época do romance, pesquisados no arquivo da Biblioteca do Congresso de Washington. A tiragem é limitada a 1.000 exemplares, todos numerados a mão.

>>> Brasil: Otto Lara Rezende e seus perfis literários

Otto costumava dizer que sua entrada no jornalismo foi como a entrada de um cachorro numa igreja: entrou porque a porta estava aberta. Sua carreira teve início quando ele, recém-saído da escola, passou a frequentar a redação do Diário. De lá em diante, foi um caminho sem volta. Com organização de Ana Miranda, o livro que reúne sessenta perfis biográficos de nomes como Guimarães Rosa, Manuel Bandeira, Graciliano Ramos, Nelson Rodrigues, Murilo Mendes, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e Rubem Braga ganha reedição pela Companhia das Letras. Com humor e elegância, ao falar dos outros, inevitavelmente falava de si. "A ideia que faço de mim?", ele pergunta em "Quem é Otto Lara Resende?". E responde: "Um sujeito delicado e violento. Delicado pra fora, violento pra dentro. Um poço de contradições. Um falante que ama o silêncio. Um convivente fácil e um solitário."

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #292

O anel do general, de Selma Lagerlöf

Lydia, de Pedro Belo Clara

“Por favor, ajuda-me, meu bom Deus, a ser uma boa escritora”

Uma mulher fantástica, de Sebástian Lelio

José Saramago, o ano de 1998

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais

O pensamento político de Fernando Pessoa

Madame Bovary: erotismo e sensualidade