O filho uruguaio, de Olivier Peyon

Por Pedro Fernandes



Este é um drama sobre uma mãe que, muitos anos depois, decide buscar o filho que lhe foi tirado quando de um doloroso divórcio. Mas é ainda uma viagem existencial de todos os envolvidos nesse drama: a mãe Sylvie, o assistente social Mehdi, María, tia e quem faz as vezes de mãe para o pequeno Felipe e a avó, Norma. É também uma exposição sobre o quanto uma mentira é capaz de ruir com as esperanças e os sonhos das pessoas. E Olivier alinhava tão bem as revelações que pouco a pouco dão forma e tessitura à narrativa que finda capaz de mexer com uma dose diversa de sentimentos do expectador. É impossível ver este filme sem um nó na garganta e ficar preso ao impasse que ora advoga em favor das dores da mãe, ora em favor da avó e da tia, ora mesmo no turbilhão de sentimentos diversos que deve cruzar pela cabeça da criança quando tem revelado o duplo interesse dos que estão ao seu redor: avó e tia a esconder a verdade sobre a mãe e o pai do garoto e a atitude impensada do pai; Mehdi, quem decide por apoio a Sylvie atravessar o Atlântico em busca de resolver a situação da guarda de Felipe e quem logo se torna um amigo do menino e da sua família.

Já nessa ocasião, ponto a partir do qual todo o drama é construído, forma-se a compreensão logo desfeita a seguir, de que os dois formam um casal de contrabandistas de crianças, afinal, por mais que Sylvie repita que a busca é pelo seu filho, a maneira encontrada por ela e Mehdi nos reforçam essa certeza porque sempre estaremos presos à dúvida de, se é mesmo uma mãe que busca o filho, por que ela não se desenvolve pelos meios jurídicos requeridos em situações como essas. É preciso tomar ciência sobre os motivos e a maneira como Felipe foi separado de Sylvie para ganharmos uma vista da história que se oculta. 

A revelação parcelar dessa história oculta se dá pela transição de pontos de vista e situações referentes aos núcleos principais da narrativa: assim, primeiro temos contato com a ideia da busca de Felipe a ser conduzida por Sylvie e Mehdi; depois com o cotidiano de Felipe com a tia e a avó no Uruguai; depois, quando os planos traçados por Syvlie e Mehdi se desfazem por obra do acaso, pelo encontro dramático entre os dois núcleos; e, por fim, na resolução do drama e a concentração do olho cinematográfico sobre os impasses que as revelações causam na vida do menino.

É por essa razão que O filho uruguaio não é apenas a história de uma mãe em busca do seu filho. Ao variar o olhar e os interesses pelas personagens dos dois núcleos principais da narrativa, o que se explora são as transformações sofridas por cada um dos envolvidos com a história e como foram afetados por uma mentira: a inventada pelo pai de Felipe de que Sylvie estava morta e por isso o lugar do filho era no Uruguai com sua família. Assim, assistimos uma mãe cuja força, mesmo abalada com a sorte de possibilidades que se abrem para si, não se move da sua obsessão. Essa transformação apresenta uma personagem sempre à beira de um colapso e afeita incapaz de agir com a calma e a racionalidade exigidas para o caso – domínios que aqui estão representados na figura de Mehdi. Esta personagem, apesar de envolvida emocionalmente com o caso de Sylvie desenvolve outra compreensão quando se vê envolvido com o cotidiano simples mas não desinteressante de Felipe. Isto é, a situação tal como se apresenta leva-o a rever a ética de sua profissão e a tentativa de seguir os desígnios do tempo ideal, e não os do tempo imposto, no intuito de evitar danos mais irreversíveis sobre uma criança aparentemente conformada com o fim trágico da mãe.

E porque este filme não deixa de ancorar os embates existenciais aos das relações familiares e estas, por sua vez estão ancoradas num ideal de confiança, verdade e sinceridade, o conflito que faz par com o drama da mãe em busca do filho é o dos laços que entre filho e mãe capazes de serem desfeitos pela mentira. Assim, Olivier não deixa de manter os jogos de opostos mesmo quando o principal deles já se encontra em vias de resolução. Isto é, a chegada de Sylvie à cidade onde vive o filho, por desconfiança de que Mehdi havia desistido do plano de conseguir levar Felipe de volta à França, introduz outro impasse: o entre a María e Norma. Uma delas sabia da mentira do pai de Felipe, uma delas contribuiu para alimentar o espírito materno que desenvolvido por María em relação a Felipe. E as duas passarão pela descoberta de que a vida destoa das certezas mais ou menos estabelecidas – a grande descoberta, por assim dizer, existencial das duas.

Nesse ínterim, Peyon nos oferece um olhar aguçado sobre um tema universal: a maternidade. Percorre suas mais diversas facetas: desde a comum reflexão sobre quem, de direito, deve ser reconhecida enquanto tal ao questionamento sobre quais os laços naturais e desenvolvidos pela convivência constituem forma das relações entre mãe e filhos. À pergunta o que uma mãe é capaz de fazer por seu filho, agrega-se outra, de força tão caudalosa quanto esta que é, o que é uma mãe. As respostas não são dadas por subterfúgios. O cineasta cria uma situação e explora os diversos vieses aí implicados e, o melhor, não nos oferece uma conclusão ou conceito pronto, mas nos instiga a partir das situações investigar nossas próprias posições sobre essas duas indagações que dão forma à narrativa de O filho uruguaio. Um filme, logo se vê, de profunda sensibilidade e sem adestramento dos sentidos, capaz de produzir sentidos diversos que dependem como o expectador olha as situações aí criadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325