Me chame pelo seu nome, de Luca Guadagnino

Por Pedro Fernandes



O filme de Luca Guadagnino é uma leitura de um romance de mesmo título do egípcio André Aciman: narra os acontecimentos de uma temporada de férias na vida do adolescente Elio, na casa de campo da família em 1983; explora o tema do primeiro amor e do amor de verão por um ângulo incomum capaz de despir uma narrativa do gênero do romance piegas. E isso não acontece porque o primeiro amor no caso é entre um garoto em processo de autodescoberta do corpo e dos desejos e um homem de elevada experiência; também não é o caso de o cineasta se distanciar de elementos sempre recorrentes nessas narrativas, porque aí estão os medos dos amantes, a realização dos seus desejos e as decepções.

Acontece que Me chame pelo seu nome é a prova de que há muito o cinema tem se distanciado do sentido que lhe é mais caro: contar uma história capaz de propiciar ao espectador o deleite com o belo e a catarse. Este filme consegue as duas coisas ao nos pegar pelo braço e nos tornar cúmplices do florescimento desse amor, bem como de suas repetidas possibilidades de fracasso. Porque tratado de uma maneira muito natural, o amor recordado pela narrativa se despe das cores de um tipo amor para se tornar em possibilidade para todas suas formas de realização. Nesse sentido, Guadagnino rompe com a cultura heteronormativa e a dos chamados romances gays ao reconduzir o ideal amoroso ao lugar de sua gênese: a do envolvimento sincero de dois corpos que se desejam, se querem e se buscam conhecer. Nisso não há limitações, tampouco determinações.

A maneira como esse retorno é realizada está situada num contexto que lhe favorece: estamos à parte do mundo comum, porque este verão transcorre numa propriedade rural no interior da Itália e no seio de uma família de intelectuais que têm uma vivência bastante acentuada com a cultura grega e romana, das quais, tanto os pais de Elio quanto o jovem professor Oliver são estudiosos. Ou seja, se a princípio tudo parece ser determinado para a realização do amor entre Elio e Oliver, por outro, as liberdades dos dois aparecem justificadas nos próprios interesses e vivências – ambos lidam com algo cada vez mais raro, tanto quanto as boas histórias para o cinema, o espírito de contemplação e enovelamento do espírito para com o sublime, propiciado pelo apelo estético da arte.

E tudo isso não se apresenta em Me chame pelo seu nome enquanto representação. Sua estratégia foi a de traduzir esses efeitos através da composição do filme, de maneira que o próprio espectador seja capaz de abrir-se a esse olhar que cotidianamente tem se mostrado displicente e toldado por uma série de efeitos de perturbação e não de engrandecimento e apaziguamento do espírito. Toda índole da narrativa fílmica favorece isso: nosso encontro com uma Itália profunda e com um cotidiano que mesmo repetitivo e de ócio se é marcado pela vivência e a reaprendizagem dos sentidos são algumas provas disso.

Da mesma maneira, a fotografia cintilante, só desobrigada ante a impossibilidade de sua manifestação não respondem nesta produção de Guadagnino apenas pela criação de uma atmosfera condizente com o período dos eventos narrado; ela está à serviço do enovelamento suscitado pela narrativa em favor de nosso encantamento com o narrado. Isto é, integra parte no exercício de nos propiciar ao efeito catártico e o deleite. Daí, entramos um e saímos outro. Deixamos de lado a mera impressão que nasce no início da narrativa tão logo a chegada de Oliver à casa de Elio, de que estaremos diante de um mero romance adolescente, para alcançarmos uma compreensão acerca da manifestação do amor.

E porque não estamos apenas numa história de amor, mas de aprendizagem – porque o mundo é integralmente entrevisto pelo olhar do jovem –, a história de Elio e Oliver é uma história do amadurecimento, exercício este que passa pelo carrossel de sentimentos vividos por estas personagens. Sim, não é apenas Elio, o contínuo estudante, quem atravessa por aprendizagens; Oliver, o professor, já não é o mesmo depois que descobre os sentimentos do rapaz e nem será o outro depois de vivê-los. Vale citar uma das cenas do desabrochar do amor entre os dois na qual Oliver exclama da sabedoria de Elio, que tem um olhar, uma curiosidade e uma opinião sobre tudo.

Neste aspecto, o amor entre os dois encontra eco novamente no ideal greco-romano: misturam-se a descoberta do outro, a descoberta de si e a descoberta do mundo. Prevalece uma espécie de maiêutica socrática. A partir de si é possível compreender o fora de si. E o condutor desse processo ao invés de ser o professor é o aluno. É Elio, marcado pela inocência, quem julga o mundo a partir de si enquanto Oliver, marcado pelo conhecimento acadêmico, o faz a partir dos livros. Ele, portanto, é quem atravessará o mais complexo dos vales: o de retorno à origem dos saberes. É Elio ainda o da iniciativa, porque selvagem não mede as ações pelo pudor do racional imposto a Oliver.  

Reafirma-se ainda outra conclusão universal: de que nossa existência não é produzida pela mera acumulação de instantes e sim da contínua revisão de nossas experiências e cada uma são propiciadores para dizer quem somos e por que somos quem somos. Todos em Me chame pelo seu nome são tocados por esta compreensão.

O tema da descoberta é uma constante neste filme. Tanto que poderíamos substituir a compreensão de que este é uma história de amor por uma que diga ser este um filme sobre a descoberta e seu valor no processo de aprendizagem. O jogo amoroso de troca de nomes, como se a troca de identidades, que na narrativa fílmica se assume ainda numa cena em que Elio passa a usar uma camisa de Oliver, é um exemplo que justifica esta observação: somente quando somos capazes de nos vermos no outro, ou ver o mundo pelo olho do outro, é que amadurecemos o suficiente para lidar com a nossa complexidade e a complexidade das coisas. Existir é um contínuo fazer-se e não existiremos plenamente se não formos capazes do exercício de alteridade: saber do outro é saber de nós. E esta é uma das lições propiciadas por este filme de Luca Guadagnino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira