A lista de Schindler, de Steven Spielberg



Steven Spielberg é considerado, por muitos, um gênio da indústria cinematográfica de Hollywood desde o megassucesso de Tubarão (1975). Mas sua carreira ficou marcada por filmes de universo infanto-juvenil, como E. T. (1982), Contatos imediatos do terceiro grau (1977) e a trilogia Indiana Jones (1981, 1984 e 1989). Suas tentativas eventuais de abordar temas adultos ou "sérios", como em A cor púrpura (1985) e Além da eternidade (1989), foram recebidas sem muito entusiasmo. 

Nesse quadro, quando realizou A lista de Schindler, o cineasta e produtor deu o passo mais importante rumo à consolidação de sua imagem, o que se traduziu em oito Oscar em 1994, incluindo Melhor Filme e Direção. Sua abordagem do Holocausto mostra as formas mais cruéis do extermínio utilizadas pelos nazistas, mas procurando evitar a espetacularização. Para isso, ele concentra e transfere sua visão humanista para o personagem real de Oskar Schindler, industrial que aproveitava a fachada de suas indústrias de munição para resgatar judeus dos campos de concentração.

Apesar dos cuidados ao abordar um dos acontecimentos mais traumáticos do século 20, o diretor não escapou de críticas, como a feita por Claude Lanzman, diretor do documentário Shoah (1985), acusando-o de ter transformado a morte de 6 milhões de pessoas em um melodrama, além de mostrar o Holocausto na visão de um germânico. "Mesmo que tenha sido um alemão a salvar judeus, isso muda completamente a perspectiva da história", argumentou.

* Revista Bravo!, 2007, p.107

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea