A primeira noite de um homem, de Mike Nichols




Retrato da mudança de valores integra fase de renovação dos temas nas mãos de jovens diretores

O recém-formado Benjamin Braddock chega ao aeroporto, voltando para a casa dos pais após concluir a faculdade, ao som de The Sounds of Silence, da dupla Simon & Garfunkel. A abertura de A primeira noite de um homem marca duas graduações importantes que fazem referência ao título original. A primeira é a do próprio personagem Benjamin, interpretado pelo jovem Dustin Hoffman. E não apenas em termos escolares, mas também morais. Agora adulto, ele consegue enxergar a futilidade dos pais materialistas e vazios, vê que a sua própria geração está perdida com as transformações sociais e começa uma relação com uma mulher muito mais velha, esposa do sócio de seu pai, e mãe da garota por quem ele se apaixonará mais à frente.

Além de Benjamin, o jovem cinema americano estava se graduando. A partir de obras como Bonnie e Clyde (1967), Sem destino (1969), Perdidos na noite (1969) e M.A.S.H. (1970), Hollywood abandonava a leveza de sua era de ouro para enfrentar temas mais pesados - sexo, violência, drogas, o caos urbano, política e novos valores. A primeira noite de um homem mergulha no embate entre duas gerações distintas e na revolução sexual da década de 1960. O filme causou polêmica pelas cenas de nudez e sexo e pela relação entre uma mulher de meia-noite com um rapaz. Benjamin e Mrs. Robinson (Anne Bancroft) protagonizaram alguns dos diálogos mais divertidos e sensuais de suas carreiras.

A nova safra de cineastas era influenciada tanto pelo velho cinema dos grandes estúdios quanto pelas idéias européias de cinema de autor. Do primeiro, tira o potencial mercadológico; do segundo, a liberdade de, por exemplo, permitir que o ator improvise o seu papel. Com apenas 27 anos, Mike Nichols ganhou o Oscar de Direção. E, da mesma forma como aconteceu com os cineastas, houve uma renovação de astros. No lugar dos antigos galãs, como Cary Grant, Gregory Peck e Gary Cooper, os então franzinos Jack Nicholson, Al Pacino e o próprio Hoffman entraram com menos beleza e mais realismo para o panteão da fama.

* Revista Bravo!, 2007, p.76.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*