Paulo de Tarso Correia de Melo: poeta-maior

Por Márcio de Lima Dantas



A obra reunida do poeta Paulo de Tarso Correia de Melo (Talhe rupestre: poesia reunida e inéditos. Natal: EDUFRN, 2008) comprovou o que a crítica mais especializada, não impressionista, e exigente, já sabia: é o nosso poeta-maior. Claro que temos bons poetas, oriundos das melhores cepas, porém muitos carecem de um fôlego lírico mais denso, capazes de manter a mesma alta voltagem estética em cada livro que publica, bem como a capacidade de manusear formas poéticas advindas de múltiplas tradições da literatura ocidental. Eis dois dos principais atributos do nosso poeta: tanto manuseia com propriedade o verso de fatura tradicional quanto as formas livres e brancas, desprovidas da sintaxe normativa.

Acrescenta-se a isso uma notável capacidade de transfigurar por meio do discurso poético o prosaico do cotidiano, elevando as coisas ditas banais a uma categoria no qual se inscreve o primado do digno, da beleza e do lugar no qual se pode extrair um conteúdo sentencioso com forte pendor a se refletir acerca das pequenas coisas que nos entornam.

É consabido, quando se trata do fenômeno estético, o quão difícil é alcançar êxito com o simples, o parco, o enxuto, mormente no que diz respeito ao poético, numa época tão tardia como a nossa, visto que tudo já parece repetitivo, já feito, inclusive a categoria de originalidade já perdeu o seu valor como referência para se avaliar algo no campo da arte.

Temos, em Talhe rupestre, a oportunidade de acompanhar a trajetória daquele que não teve pressa em publicar, guardando-se numa quietude de quem, parece, sabia a exata medida do seu valor, maturando os livros, já encerrados, nas gavetas. Lembraria a noção dos antigos gregos de Kairós = tempo do sentido, das maturações, do oportuno, da ausência de pressa.

Detentor de uma poesia coloquial, elegante e de requintada estampa, todavia não consegue enganar um leitor mais atento, pois há uma poética e uma poesia muito bem organizada subliminar ao texto: eis o emprego das rimas toantes, da métrica, da estrofação, enfim, de tudo o que um poeta consciente do seu ofício delibera articular em palavras, numa engenharia capaz de constituir imagens e sentidos a partir de algo volátil: o signo linguístico.

Filiado a melhor tradição antilírica, que tem como maior expressão o poeta João Cabral de Melo Neto, linha de continuidade que refrata a noção de inspiração e advoga o poema elaborado a partir da consciência e do ato de escrever como construção, não havendo lugar para apelos à emoção ou sentimentalismos, o poeta chanta seu número, através de doze livros de poesia, inscrevendo-se na nossa memória literária, retomando o fogo legado por Zila Mamede.

O mito neo-platônico, retomado pelo Romantismo e ainda vigorando como regra nos dias de hoje, com seus apelos ao sentimental e a um suposto “gênio” de um poeta não faz sentido. Paulo de Tarso alinha-se muito mais no campo das concepções aristotélicas do fenômeno artístico. Herdeiro das noções descritas na Poética, do Estagirita, compreende a poesia como um fenômeno resultado da construção, da elaboração, do dispêndio de tempo e débito para com o que incorporou dos seus pares lidos e revistos nos livros das histórias da literatura, da nossa melhor tradição.

E maior também porque herdeiro da “leçon”, de Roland Barthes, cujo alcance da poesia é dado por uma bem formulada alquimia entre Mathesis (saberes), Mimesis (representação) e Semiosis (jogar com os signos). Com efeito, em Paulo de Tarso é possível encontrar tanto a tradição grega, a cultura popular reelaborada, poetas implicitamente citados no corpo do poema, estilos históricos, tudo soldado de maneira atenta, nunca esquecendo a velha lição de que poesia se faz com palavras, criando um mundo à parte, com seu fulgor, contrapondo-se e criticando o real.


Com esse livro, o poeta Paulo de Tarso Correia de Melo não apenas se sagra como nosso poeta-maior, mas também se inscreve de maneira definitiva, em vida e em pleno vigor produtivo, seu nome na História da Literatura do Rio Grande do Norte, pois seu cinzel retirou lascas numa rocha, esculpindo-a, legando-nos um talhe capaz de modelar um âmbito na bruta pedra da linguagem, vindo a ser escritura, poesia, registro que se quer lugar fora do poder, proclamando a perenidade de uma obra que só engrandece nossa poesia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Boletim Letras 360º #323

Uma foto, Salinger!

Shane: um olhar sobre a violência no cinema western

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

O erudito, o popular e a doce virtude da ignorância