Boletim Letras 360º #252

No último boletim anunciamos que planejávamos a primeira promoção de 2018; esta semana divulgamos em nossas redes sociais que sortearemos cinco livros em nossa página no Facebook: A noite da espera, de Milton Hatoum; Laços, de Domenico Starnone; O marechal de costas, de José Luiz Passos; a edição especial de A hora da estrela, de Clarice Lispector; e Uma forma de saudade, diários de Carlos Drummond de Andrade. Fiquem atentos! A seguir as notícias que copiamos em nosso mural no Facebook.

Está lançado o primeiro rojão de 2018. Um impasse sobre a publicação ou não de uma coletânea de folhetos antissemitas produzidos por Louis-Ferdinand Céline. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 01/01

>>> Brasil: 4321 o retorno de Paul Auster

São mais de oito centenas de páginas com a história de um jovem que atravessa as décadas mais complexas dos Estados Unidos no século passado. O livro é apresentado sempre como um romance de fôlego que exige muito ao leitor. Há um protagonista, o jovem que faz quatro em um, de nome Ferguson, que leva o leitor a viajar pela sua vida. Centrado em si, as ondas da percepção daquela sociedade vêm até ao leitor de forma suave: a história da família. 4321 é uma radiografia de algumas das obsessões de Auster: a arte do beisebol, a ausência da figura paterna dada a dedicação excessiva ao trabalho, o cinema, o erotismo possível na descoberta do corpo na adolescência. O livro sai em maio pela Companhia das Letras.

Terça-feira, 02/01

>>> Peru: O novo livro de Vargas Llosa continua sua investida contra a esquerda

Se há um escritor entre os grandes que foi protagonista da tensão ideológica entre a esquerda e direita esse é Mario Vargas Llosa, que passou de um leitor devoto de Sartre fascinado com la revolução cubana a se converter num de seus grandes críticos. De tudo isso fala em La llamada de la tribu, livro que chega aos leitores de língua espanhola em março deste ano. Espécie de autobiografia intelectual o livro é fruto de anos de interesse do peruano em emular — a partir das margens do liberalismo — um de seus livros favoritos: Rumo à estação Finlândia, o ensaio de 1940 em que Edmund Wilson traçou a genealogia socialista que vai dos revolucionários franceses aos russos. Se Wilson se ocupou de autores como Michellet, Marx ou Lenin, Vargas Llosa se ocupa de Adam Smith, Karl Popper e Raymond Aron. Este último foi, recorda, um dos poucos intelectuais parisienses que se pronunciou contra a Revolução de 1968 por considerá-la "não uma revolução mas sua caricatura, uma comédia bufa da qual não ia resultar transformação nenhuma na sociedade francesa e sim, ao contrário, a destruição da universidade e dos progressos econômicos porque passava a França".

>>> Brasil: Volta às livrarias brasileiras a tradução de Wladir Dupont para "Enquanto agonizo", de William Faulkner

O livro foi publicado pela L&PM Editores. O romance do escritor estadunidense foi eleito pelo crítico Harol Bloom com "o que tem o começo mais brilhante" do século XX — "o começo pressagia a originalidade do livro que mais surpreende de seu autor". Publicado em 1930, "Enquanto agonizo" é um grandioso exemplar da linguagem e do estilo praticados por Faulkner. Neste romance, o autor distancia-se da aristocracia sulista americana para falar de gente comum e humilde, como a família Bundren, que se reúne para cumprir o último desejo da matriarca: ser enterrada em Jefferson, ao lado de seus parentes. O marido e os cinco filhos partem com o caixão determinados a cumprir seu objetivo, sem saber como essa viagem mudaria suas vidas. Faulkner tece um caleidoscópio de emoções que afloram a partir da voz de cada um dos personagens, revelando a história aos poucos, com flashbacks que vão se entrelaçando, formando um espelho da condição humana. Há muito esgotado, o livro, na tradução de Wladir Dupont volta às livrarias.

Quarta-feira, 03/01

>>> México: A descoberta de um livro de Carlos Fuentes

A Fundação Banco Santander traz a lume um inédito do escritor mexicano; é um ensaio sobre um de nossos mais importantes cineastas do século passado. Luis Buñuel o la mirada de la Medusa apresenta ainda a rica troca de missivas entre Fuentes e o cineasta. Sobre Buñuel, o escritor revela-o como uma das mais presentes influências sobre sua cosmogonia visual e narrativa — sua e da literatura dos grandes escritores do Boom Latino-americano.

Quinta-feira, 04/01

>>> Israel: Morreu o escritor israelense Aharon Appelfeld

Sobrevivente do Holocausto, sua obra dedica-se em grande parte à vida dos judeus na Europa antes e durante o negro período da história. Appelfeld nasceu em 1932 em uma localidade perto de Czernowitz, uma cidade romena que hoje se localiza na Ucrânia. Sua mãe foi assassinada pelos nazistas e ele foi deportado com seu pai para um campo de concentração. Escapou em 1942 e sobreviveu em uma floresta, adotado por um bando de criminosos ucranianos. Recolhido posteriormente pelos soviéticos, trabalhou como ajudante de cozinha durante meses para o Exército Vermelho. Em 1946, imigrou para a Palestina quando estava sob mandato britânico. Em Israel, em 1957, Aharon Appelfeld se reencontrou com seu pai, que também sobreviveu à barbárie nazista. Dos mais de 40 títulos, dois estão em circulação no Brasil, Expedição ao inverno (Editora Perspectiva) e Badenheim (Amarilys Editora). O escritou recebeu prêmios em todo o mundo, como o Prêmio Israel em 1983 e o Prêmio Medicis francês, em 2004. Foi amigo do escritor Philip Roth, que o converteu em personagem de seu romance Operação Shylock.

>>> Itália: O clássico conto infantil Pinóquio, do italiano Carlo Collodi, foi traduzido para emoticons

É a primeira versão de um texto literário italiano editada nesse código visual; Pinóquio em emojitaliano alia a criatividade e a expressividade do universo da internet no objetivo de ser uma história acessível em todos os idiomas do mundo. Assim, ambicionam os editores que colocaram em prática a ideia dos pesquisadores italianos Francesca Chiusaroli, Johanna Monti e Federico Sangati, aliados a usuários diversos das plataformas Twitter e Telegram que ajudaram a completar a tradução. O texto de Collodi foi publicado em folhetins entre 1881 e 1883. A edição de agora, moderníssima, é acompanhada de um glossário que traduz os elementos visuais para os ainda não leitores desse código da web.

Sexta-feira, 05/01

>>> Estados Unidos: Ler os cem cantos de A divina comédia em cem dias no Twitter — é a proposta do professor e crítico argentino Pablo Maurette

A ideia veio online no dia 27 de dezembro e no dia 1º de janeiro o primeiro tuíte. E, no quarto dia, mais de 2.000 personas já seguiam a ideia. "É um livro que todo mundo conhece o nome. Os que não leram sente que precisam fazê-lo, os que leram sabem que uma única leitura não é suficiente e preciso ler novamente". Pablo reside nos Estados Unidos onde é professor de Literatura comparada na Universidade de Chicago. "A primeira vez que a li me atraiu a história, os castigos do inferno. Depois a li em italiano e comecei a apreciar a elegância, a musicalidade do verso, a vivacidade das descrições. Dante descreve coisas fantasiosas com um nível de realismo assombroso", sublinha o professor. Conhecedores de Dante como o crítico literário argentino Pablo Williams, o professor em Harvard Mariano Siskind e o escritor colombiano Humberto Ballesteros participam do desafio e guiam os estreantes através da selva escura. Ilustradores como Leonardo Achilli criam um desenho que recria o canto que é lido. O projeto usa a tag #Dante2018 e é veiculado a partir da conta @maurette79 até o próximo 10 de abril deve estar concluído.

>>> Brasil: Moby Dick, de Herman Melville, em HQ

A história da baleia branca já havia adaptada para os quadrinhos pelo italiano Dino Battaglia (1967), pelo francês Paul Gillon (1983) e pelos estadunidenses Bill Sienkiewicz (1990) e Will Eisner (2001). A investida mais recente, de 2014, é do francês Christophe Chabouté; esta é publicada agora no Brasil pela editora Pipoca & Nanquim. Este foi eleito um dos melhores trabalhos de Chabouté, cuja primeira aparição foi em Les Récits (1993), uma antologia sobre o poeta Arthur Rimbaud, mas não é sua primeira adaptação de um clássico literário: o quadrinista de 50 anos, até então inédito no País, publicou Construire un Feu (2007), inspirado em To Build a Fire, de Jack London.

>>> França: Está lançado o primeiro rojão de 2018. Um impasse sobre a publicação ou não de uma coletânea de folhetos antissemitas produzidos por Louis-Ferdinand Céline

A editora francesa Gallimard insistiu que prosseguirá com a publicação da coleção de mil páginas dos panfletos realizados pelo escritor nos anos 1930 de Céline. São textos que, entre outros assuntos, se pede abertamente o extermínio dos judeus. A data de publicação não está definida, mas a editora aposta na ideia de apresentar os textos e enquadrá-los em seu contexto "como escritos de uma grande violência, marcada pelo ódio antissemita do autor". Tão logo a notícia ganhou forma na França, Serge Klarsfeld, o célebre advogado que escapou do massacre dos nazistas em Nice quando criança, exigiu que a publicação seja abortada. Céline continua a ser aclamado como um dos escritores mais brilhantes da França por seu romance de 1932, Viagem ao fim da noite, considerado uma dos mais importantes da literatura francesa do século XX. Mas sua reputação foi manchada por seus panfletos de ódio, antissemita e pró-Hitler.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #298

João Cabral olha Joan Miró

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

José Saramago, o ano de 1998

A vida e a arte de Sylvia Plath

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

O projeto é escrever. Um perfil de Mario Levrero

A poesia de Guimarães Rosa