Brazil - o filme, de Terry Gilliam



Visual delirante acompanhado de "Aquarela do Brasil", de Ary Barroso, faz desta ficção científica uma obra única

Brazil - o filme é fruto de seu tempo, os anos 1980, quando as produções já faziam reciclagens de outros filmes realizados anteriormente. O diretor norte-americano Terry Gilliam, integrante do extinto grupo Monthy Python (exímio nas paródias de temas consagrados, como a releitura nonsense que fizera sobre a vida de Cristo em A vida de Brian, de 1979, ou sobre os romances de cavalaria em Monty Python em busca do cálice sagrado, de 1975), realiza aqui uma mistura de humor, ficção científica e filme político. As referências estéticas passam por Metrópolis (1927), de Fritz Lang, e exibem também elementos vistos anteriormente em Blade Runner - o caçador de andróides (1982), de Ridley Scott, tudo embalado numa fotografia estetizada, cheia de luzes brancas e sombras que criam geometrias na imagem. Mas o que caracteriza o trabalho de Gilliam é mesmo a mistura de realidade e fantasia, algo que esta nos delirantes Os 12 macacos (1995) e Medo e delírio (1998), outras obras que combatem a repressão à liberdade individual.

Em Brazil - o filme, o mundo lembra o do livro de George Orwell, 1984. Não é por menos, inclusive, que o diretor queria que seu longa se chamasse 1984 e 1/2, que seria uma homenagem, também, a Federico Felini e seu 8 1/2 (1963). Um "big brother" controla as pessoas, que vivem entre edifícios, salas apertadas e máquinas. O visual retrô, meio anos 1950, não é sem motivo: o protagonista, Sam Lowry (Jonathan Pryce), é um burocrata que literalmente sonha em voltar para o passado, mais idílico. Conhece uma terrorista que o faz rebelar-se contra o sistema opressor (como Fahrenheit 451, de 1966, clássico do francês François Truffaut).

Numa apoteose visual rara, com câmera voando pelos enormes espaços, o longa de Gilliam toma partido dos rebeldes, que lutam contra a burocracia inoperante que emperra a sociedade. A opção pela música "Aquarela do Brasil", de Ary Barroso, que pontua todo o filme, gerou controvérsias no Brasil quanto aos critérios de escolha do cineasta. Há quem veja uma referência à burocracia nacional, mas não é um desvario pensar que a célebre canção remeta a um escapismo fantasioso, sonho extático, o que muito diz sobre essa irônica fábula de Terry Gilliam.

* Revista Bravo!, 2007, p.99.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325