Biblioteca Digital de Fernando Pessoa online


Em resultado de um trabalho coletivo que envolveu a Casa Fernando Pessoa, o Centro de Linguística da Universidade de Lisboa e que contou com o apoio da Fundação Vodafone, o trabalho de catalogação e digitalização da Biblioteca particular de Fernando Pessoa está desde ontem disponível online. A coordenação de todo o projeto esteve a cargo de Jerónimo Pizarro, especialista na obra de Pessoa, que na cerimônia de apresentação da Biblioteca recebeu das mãos de António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a medalha de mérito municipal.

Terminado o trabalho de digitalização de todo o material, que até agora estava em parte disponível para consulta na Casa Fernando Pessoa, mantém-se o objetivo de restaurar todos os documentos, procurando esta entidade apoios técnicos e financeiros para realizar este projeto.

Em nota publicada na página da Casa Fernando Pessoa, Jerónimo Pizarro assume os objetivos que presidiram a esta iniciativa: "Dar visibilidade virtual à biblioteca particular de Fernando Pessoa foi o objetivo de uma iniciativa coletiva que começou em Abril de 2008 e que hoje permite disponibilizar em linha milhares de páginas impressas, muitas das quais contêm anotações, comentários, traduções e outros diversos tipos de textos em prosa e em verso, para além de desenhos, horóscopos e exercícios caligráficos. Estas páginas, que em número quadruplicam o número de autógrafos pessoanos à guarda da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), são decisivas para revisitar a vida e a obra de Fernando Pessoa. A sua biblioteca, composta por mais de 1300 títulos (mais da metade deles em língua inglesa), é um autêntico repertório de fontes e de escritos. Por este e por outros motivos, o seu valor é inestimável. No poema «Un lector», Jorge Luis Borges escreveu: «Que otros se jacten de las páginas que han escrito; a mí me enorgullecen las que he leído». Que leu Pessoa? Com que propósitos? Estas são só algumas das perguntas que agora se podem começar a formular com mais assiduidade."



No texto de apresentação da ideia, escrito por Inês Pedrosa, a justificativa, que acredito ser a mais plausível por esta novidade: "Os livros tendem a mover-se muito depressa: emprestam-se, perdem-se, vendem-se. Pessoa também vendeu alguns – mas deixou-nos 1142 volumes, de todos os géneros e em vários idiomas, densamente anotados e manuscritos. Graças à dedicação de uma equipa internacional de investigadores coordenada por Jerónimo Pizarro, Patricio Ferrari e Antonio Cardiello foi possível digitalizar, na íntegra, toda a biblioteca. Graças ao apoio da Fundação Vodafone Portugal foi possível colocar online cada uma das páginas digitalizadas. Deste encontro de entusiasmos generosos resultou a disponibilização gratuita da preciosa biblioteca do autor de O Livro do Desassossego, que agora pertence aos leitores em qualquer parte do globo. Trata-se de uma biblioteca aberta ao infinito da interpretação – bela, surpreendente e instigante, como tudo o que Fernando Pessoa criou. Usufruam-na."

Para consulta, clica aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira