Milton Hatoum



Poucos são os escritores brasileiros contemporâneos que dão novo fôlego à Literatura Brasileira. É fato que os grandes escritores hoje se contam nos dedos das mãos e ainda ficam dedos órfãos. Não é que não seja conhecedor da própria literatura. Tenho minhas limitações. Isso é fato. Mas quando faço essa constatação faço pensando no que define um escritor como grande. 

E é verdade que não é necessário ser nenhum mago - perdoem-me o trocadilho aos leitores de Paulo Coelho - ou nenhum bruxo de vendas - novamente perdoem-me - mas o fato é que ser um escritor que reinvente a linguagem e-ou o ato de narrar constitui, na minha ingenuidade, num dos fatores para ser-se grande. Assim vejo Guimarães Rosa, Clarice Lispector, João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade, para ficar nesses quatro nomes... E é aí que dou com um que não é tão desconhecido, mas que ainda necessita dos leitores brasileiros uma leitura mais acurada de sua obra. Falo de Milton Hatoum. 

Verdade é que não fui, ainda, iniciado na literatura desse escritor. Dele tenho bom conhecimento apenas dos ensaios publicados na extinta Revista Entrelivros. Mas é fato que Hatoum é, sim, um grande romancista. Nascido em 1952, em Manaus, onde passou sua infância e parte de sua juventude, Hatoum morou em Brasília, São Paulo (aqui formou-se em Arquitetura pela Universidade de São Paulo), Madri e Barcelona (foi bolsista nessas duas cidades espanholas), Paris (aqui estudou Literatura Comparada na Sorbonne), Califórnia... 

Hatoum é, por que não, um passageiro do mundo, mas o mundo de seus livros nunca deixou a atmosfera e o ambiente manaura. Os seus grandes romances tem na capital do Amazonas seu porto de ancoragem: um deles, é o seu primeiro romance, que veio a lume em 1989, Relato de um certo Oriente, vencedor do Prêmio Jabuti de melhor romance; depois, Dois irmãos, publicado em 2000; Cinzas do norte, de 2005, este vencedor de cinco diferentes e importante prêmios - Portugal Telecom, Grande Prêmio da Crítica APCA, Prêmio Jabuti, Prêmio Livro do Ano da CBL e o Prêmio BRAVO! de Literatura; nesse ínterim, publicou ainda Órfãos de Eldorado.

Além da produção romanesca, Hatoum tem ainda publicações no gênero conto - A cidade ilhada - crônicas - Crônicas de duas cidades: Belém e Manaus, publicado em parceria com Benedito Nunes - poesia - Amazonas, palavras e imagens de um rio entre ruínas - ensaios, críticas e literatura infanto-juvenil.

Ligações a esta post:
>>> Notas sobre Dois irmãos
>>> Milton Hatoum escreve sobre a obra de Clarice Lispector


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325