Francisco Miguel de Moura

Por Pedro Fernandes



Há escritores que lemos uma única vez duas linhas e não esquecemos dele nunca mais. Adormecemos a lembrança, mas basta um spleen e trazemos de volta para nós. Assim foi quando li pela primeira vez o português José Saramago em seu Evangelho segundo Jesus Cristo. Assim foi também quando li pela primeira vez o poeta brasileiro Francisco Miguel de Moura em seu Poesia incompleta ainda quando da Graduação em Letras. Há nesse livro um poema cujo título não me vem à cabeça agora, mas que as imagens nele evocadas me marcou o suficiente para, mais tarde, eu compor um outro poema intitulado "cadáveres adiados", que está no e-book Palavras de pedra e cal

O fato de citar Francisco Miguel Moura por aqui é que à cata de alguma novidade na mesma biblioteca em que me deparei com Poesia incompleta reencontrei esse livro. E relembrei disso tudo que comentei anteriormente. E vi ainda que, por ser esse um poeta que tanto me marcou, é uma injustiça não ter ainda disposto seu nome na galeria d'Os escritores - coluna esparsa deste blog.

Num texto que mais que apresenta, diz o fazer poético de Francisco Miguel e suas engrenagens, Nelly Novaes Coelho, no já referido Poesia incompleta apresenta que o poeta se constitui enquanto tal por um caminho "incerto, hesitante, tateando o desconhecido, mas já pressentindo a grande força da poesia como nomeadora do Real". Diz isso ao referir-se ao seu livro de estreia, publicado ainda em 1966, Areias.

Recorto essa passagem do texto da professora por uma razão: ao ver que o imagético é uma estrutura de estatura óssea e envergadura tanta na obra do poeta de Poesia incompleta; tanto capaz de propiciar no leitor outras experiências com a linguagem, esse imagético guia-se, sobretudo, por um entendimento de a poesia, se não explica o real porque afinal toda tentativa linguística talvez possa se resumir a isso, funda um real próprio. Um universo com suas cadências próprias.

Francisco Miguel é exímio poeta, sim, mas descobri sê-lo também cronista, romancista, ensaísta e crítico literário e tudo justaposto à função de bancário. É de Francisco Santos, Piauí. Bacharelou-se em Literatura e Língua Portuguesa e fez Pós-graduação em Crítica de Arte.

Além de Areias e Poesia incompleta publicou os seguintes livros de poesia Pedras em sobressalto, Universo das águas, Bar Carnaúba, Quinteto em mi(m), Sonetos da paixão, Poemas Ou-tonais; os de ensaio Linguagem e comunicação em O. G. Rego de Carvalho, A poesia social de Castro Alves; os de romance Os estigmas, Laços de poder, Ternura; os de crônicas Eu e meu amigo Charles Brown, .. E a vida se fez crônica, entre outras obras.

Ligações a esta post:
>>> No blog do Caderno-revista 7faces é possível ler poemas de Francisco Miguel 
>>> Acesse a página do e-book palavras de pedra e cal e leia "cadáveres adiados."


* Essas notas foram escritas tomando por base o texto de Nelly Novaes Coelho, "Francisco Miguel: 30 anos de tensa comunhão com a palavra" e informações no Jornal de Poesia.

Comentários

CHIICO MIGUEL disse…
Meu caro Pedro,
Foi uma surpresa encontrar-me aqui e encontrar-te também. Surpresas da vida que fazem a felicidade. Ah, foram tantos elogios a mim, que fico meio envergonhado. Você escreve também quanto nós mais velhos, escritores chamados profissionais, mas que nunca ganharam um tostão. Mas elogios como o seu pagam e ainda merecem troco.
Abrace é esto novo amigo,
francisco miguel de moura
Pedro Fernandes disse…
Estimado Francisco Miguel, até passei uma vista nessas notas a fim de aplainar os erros - que como pude ver, não eram poucos. A mim apenas fica minha gratidão pelo seu trabalho; num mundo em tão acelerado processo de decadência a poesia é aquilo que mais necessitamos. E num universo onde todos se querem poetas, os de que fato merecem essa alcunha são raros. Considere-se uma dessas raridades. A opinião em relação a parte de sua obra é sincera. Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325