Carlos Drummond de Andrade e arte de escrever cartas

“Nas cartas que escrevo costuma insinuar-se o rascunho da grande carta (grande? ou conterá só duas linhas?), mas bem sei que não adianta rascunhar o que não pode ser previsto e menos ainda planejado. Ou a carta se faz espontaneamente na brancura da folha, tão imperativa que só me resta assiná-la, ou todo o meu empenho literário de reunir as expressões mais adequadas resultará na caricatura de um documento que independe de estilização e mesmo a repele. A correspondência da vida inteira torna-se o esboço inútil de uma única peça postal que não tenho aptidão para compor, e não me é ditada, mas que exige ser escrita.


Estamos nisto, eu e a minha carta, já concreta, palpável, legível de tão imaginada: em sua plenitude branca.” 
Carlos Drummond de Andrade Projeto de carta, Os dias lindos

(clique na imagem para ampliar) Bilhete que Carlos Drummond de Andrade escreveu a Clarice Lispector após ler De corpo inteiro. Foto: Acervo da família. Arquivo Museu de Literatura da Fundação Casa de Rui Barbosa.


E se pudéssemos juntar todas as correspondências de Carlos Drummond de Andrade num só lugar? As que trocou com o amigo Cyro dos Anjos foram tantas que resultou num livro a ser publicado nos próximos dias da Feira Literária Internacional de Paraty (FLIP); as que trocou com Mário de Andrade também deram um livro publicado em 2003. Cartas para a filha. Cartas para o neto. Cartas para desconhecidos. Cartas para intelectuais, como Clarice Lispector (foto). Cartões. Bilhetes. Telegramas.

O grande acervo de correspondências do poeta encontra-se preservado ao que parece e, aos poucos, vão sendo conhecidas pelos seus leitores. Para os críticos, por esse acervo é possível perscrutar as principais características de Drummond: o homem comum que buscou ser, suas implicações com as exigências práticas do cotidiano, sua dedicação ao trabalho como funcionário público, sua dedicação com a família, o apreço a todos os que lhe procuravam, sua autocrítica sobre sua obra e a projeção adquirida dentro do cânone literário brasileiro, fragmentos de uma obra a todo tempo sendo escrita. Nesse último caso, há poemas, caricaturas e outros materiais inteiramente escritos no interior das missivas. Ou seja, pela correspondência abre-se uma possibilidade de leitura do vasto mundo da obra e da vida do escritor.

Abaixo, reunimos um fôlder com uma amostra de quatro correspondências de Drummond. Três delas para o amigo Abgar Renault e uma para o escritor Pedro Nava.





***

No Portal Literal é possível ler várias das cartas que Drummond escreveu para Lygia Fagundes Telles.



 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Manual de instruções para ler Lolita

Boletim Letras 360º #272

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Hilda Hilst e o inominável das palavras

O fracasso de escrever

Kyra, Kyralina, de Panaït Istrati