As várias faces de "Alice no país das maravilhas" - Parte 4



Ralph Steadman nasceu em maio de 1936 em Wallesey, Liverpool, onde viveu os primeiros cinco anos de vida. Quando a guerra começou, em 1939, foi levado para um abrigo.  Para escapar da morte nos bombardeios, em 1940 ele foi empacotado e junto com seus pais e a irmã mais velha foram para as colinas de North Wales. Seu pai, um vendedor de casacos femininos tinha um cliente que morava em Abergele e os ajudou a encontrar um novo lar longe dos terrores da cidade.

Com a eclosão da guerra, o governo emitiu declarações para acabar com o galês com a desculpa de que seu uso poderia ser pervertido de alguma forma por espiões alemães que queriam enviar informações de volta para o Führer. Os pais de Ralph, acreditando plenamente na infalibilidade do governo, pararam de falar sua língua nativa, e Ralph para sua frustração foi impedido de se tornar proficientes na mesma. 

Fez os estudos entre 1947 e 1952 em Abergele Grammer School e durante igual período foi um estudante excelente, mas logo depois o diretor da escola foi substituído por um homem pelo qual Ralph desenvolveu um medo fora do comum e o que parecia excelente foi decaindo.

Usava como passatempo favorito o gosto pelos modelos de aeronave que influenciou a escolha de um de seus primeiros trabalhos com o Havilland Aircraft, um aprendiz de engenharia aeronáutica. Vieram problemas e ele teve de ir trabalhar ainda com aprendiz numa agência de publicidade, muito embora largasse o trabalho também logo início para cumprir serviço militar, cumprido na Real Força Aérea entre 1954 e 1956. Foi aí que ele, trabalhando como operador de radar, aprendeu desenho técnico. E terá sido mesmo uma das razões que o fez um curso em artes por correspondência em Forrest Hill.

Os primeiros desenhos sempre foram os ligados à sua vida militar; até que em 1956, vende para o Manchester Evening Chronicle o seu primeiro desenho. Voltou para Londres quando saiu do Serviço Nacional, onde fez vários cursos de impressão gráfica no Colégio e Faculdade de Artes e depois East Ham Technical College, onde conheceu seu grande mentor, Leslie Richardson. Foi quando começou a publicar caricaturas e cartoons político-sociais.

Além de Alice no País das Maravilhas, ilustrou outros clássicos como a Revolução dos Bichos, de Orwell. Publicou livros ilustrados sobre a vida de Sigmund Freud e Leonardo da Vinci. Também fez ilustrações para livros William Shakespeare a William Burroughs.

Do clássico de Lewis Carroll preparamos uma amostra com 20 ilustrações.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter