Diário de bordo

Por Pedro Fernandes

Michelangelo. A expulsão do paraíso. Detalhe da Capela Sistina

Esta tela me leva a pensar o segundo capítulo de minha dissertação. Depois do gatilho oferecido pela tela Ceci n'est pa une pomme resolvi adotar, claro, porque lido com um objeto artístico, esse diálogo entre a reflexão teórico-crítica a partir de representações nas artes plásticas. Também lido com um tema cuja matéria serviu de maneira diversa a esse outro universo: figurações sobre o feminino. A reflexão sobre o par realidade::ficção no intuito de conceber que tais modos não são gratuitos, mas produzidos com alguma intenção, ou ainda, que a literatura não é elemento apartado do mundo, findou com a leitura sobre a construção da personagem - desta, a feminina - na literatura de José Saramago. Aqui, um parêntesis: este estudo tem como núcleo os romances Memorial do convento e Ensaio sobre a cegueira, mas não se perde numa leitura isolada desses textos. Centrais, tais narrativas são pontos irradiadores para uma compreensão mais ampla sobre o tema na obra do escritor português. 

Agora, por que esta tela do Michelangelo? Numa ocasião em que a discussão caminha para o papel assumido pela figura feminina no interior da obra romanesca, essa tela inclui uma série de questões relacionadas ao tema que deverão suscitar a construção da reflexão aí pretendida. Primeiro, trata-se da representação da fundação sobre o discurso de perseguição à mulher no Ocidente cristão: aí está Eva, quem recebe da serpente o fruto proibido, este que lhe despertará para verdade do mundo, e na mesma ocasião, como se tratasse de uma continuidade do enredo bíblico, a expulsão do casal do paraíso, tema que dá título à obra e determinante na construção da culpa à mulher pelo mal do mundo. 

E essa pintura integra o extenso afresco composto pelo artista italiano para ilustração do teto da Capela Sistina - um texto pictural que reafirma a construção de um discurso largamente sustentado pela Igreja de redução da figura feminina. Talvez para acentuar essa convicção, Michelangelo ainda tenha jogado com outro sentido: o feminino serpente. Note que, embora a cobra normalmente seja apresentada noutras representações picturais sem uma forma sexual definida, na tela em questão é apresentada como uma forma-mulher e a imagem é retocada por cores quentes numa invocação à insinuação do que é proibido, da volúpia, vindos de um lugar de condenados segundo o discurso religioso. Desse modo, a tela de Michelangelo sugere uma dupla culpa à mulher: a de ser propiciadora da queda e da queda do paraíso. Já aqui, quantas ideias se mostraram?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath