Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

A cidade textual e Fernando Pessoa


"No prédio em que nasceu, com natural direito a placa comemorativa, vê-se a entrada para uma sociedade de advogados e o rés-do-chão é agora corrido a montras deluxe (Marc by Jacobs, por sinal). [...] Aqui, o poeta de bronze, obra do belga Jean-Michel Folon colocada no largo em 2008, está em pé no seu rasteiro pedestal mas não tem cabeça; ou melhor, a cabeça é um grande livro que tem escrito "Pessoa" na capa. Marina chama-lhe 'a estátua Facebook'." (trecho de "A aldeia de Pessoa era o coração de Lisboa", de Luis J Santos. Fotografia: Miguel Manso. Fonte: fugas-viagens)


Não foi Fernando Pessoa  o primeiro escritor a compor uma urbe de tinta e papel que vai se firmando ao mesmo tempo como espaço existente e ficcional. Tão longe onde eu possa alcançar no universo literário, a cidade é marca narrativa já desde a Odisseia, de Homero; no escritor grego, inclusive, é a cidade elemento determinande na identidade dos sujeitos. Lisboa, então, exerce um fascínio tamanho sobre os seus visitantes e moradores de visão mais aguçada que não foram poucos os que se aventuraram a redigir verdadeiros itinerários que, na maioria das vezes, pode ser roteiro de viagens sem quaisquer defeitos. É o caso, por exemplo, do José Saramago que contratado para produzir uma coisa do gênero, foi além e escreveu Viagem a Portugal, publicado em 1980.

Tudo isso serve para dizer de um achado na web que perfaz em três passos principais a Lisboa de Fernando Pessoa. Quem serve de guia é a jornalista e pesquisadora Marina Tavares que descubri juntamente com a matéria nesta semana. Perfazendo alguns passos na urbe digital descubro que Marina é especialista sobre a capital portuguesa e tem já uma série considerável de livros, como Lisboa desaparecida. Ela também lançou recentemente Lisboa nos passos de Fernando Pessoa, edição bilíngue (português-inglês), que inclui em torno de uma centena de fotos e imagens que perfaz um trajeto que começa pela Baixa, passa pelo Chiado, Campo de Ourique e todas as moradas do poeta português. A obra em questão pretende inserir o viajante numa "Lisboa tal como Pessoa a conheceu" - diz a autora.

Sob o título de A aldeia de Pessoa era o coração de Lisboa, Marina acompanha o jornalista Luis J Santos e perfaz pelo menos três desses pontos para o periódico Público: Baixa, Rossio e Chiado a fim de descobrirem a cidade de Fernando Pessoa.

***

Já que estamos em território português, por lá, está aberto até o dia 6 de maio, sob curadoria do Carlos Felipe Moisés e Richard Zenith, na Fundação Calouste Gulbenkian uma exposição que teve sua partida no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

Fernando Pessoa, plural como o universo é dedicada a Fernando Pessoa e aos seus heterônimos e pretende mostrar a multiplicidade da obra do poeta. Estão lá poemas, textos, documentos, fotografias, pintura e raridades como a primeira edição de Mensagem, com dedicatória escrita por Pessoa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas