Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Boletim Letras 360º #182

Toda a obra de Valter Hugo Mãe passa a ser reeditada pela Biblioteca Azul. E as que chegarem em 2016 poderão ser de um leitor deste Boletim. 

Vamos aproveitar para dizer um detalhe sobre a nova promoção que preparamos para o comemorar a chegada dos novos amigos e iniciar as celebrações pelos 10 anos de blog - o mais importante deles - os brindes. Daremos toda obra de Valter Hugo Mãe reeditada pela Biblioteca Azul / Globo Livros em 2016 e uma edição com a obra completa de Raduan Nassar que será publicada pela Companhia das Letras. Ainda sobre o Mãe, vale lembrar que em novembro as livrarias brasileiras receberão o novo romance do escritor, homens imprudentemente poéticos. Os participantes poderão escolher, se ganhar, qual brinde poderão levar. É preciso ficar atento à nossa página no Facebook. 

Segunda-feira, 29/08

>>> Brasil: Nova edição de A cabana do pai Tomás

Fora de catálogo há muito, o livro de Harriet Beecher Stowe volta às livrarias em setembro pela Amarilys em nova tradução. Publicado originalmente em 1852 nos Estados Unidos, o livro ajudou a causa abolicionista e teve papel crucial na Guerra Civil naquele país. A edição terá prefácio do historiador Ricardo Alexandre Ferreira, que discute a relação do romance de Harriet Beecher Stowe com o movimento abolicionista no Brasil.

>>> México: O escritor romeno Norman Manea é o grande vencedor do Prêmio Feria Internacional do Livro de Guadalajara

A distinção ressalta a visada crítica do escritor sobre grande parte das misérias do séc. XX, sendo ele próprio uma das vítimas de ditaduras fascistas e comunistas: por ser filho de judeus foi deportado aos cinco anos para um campo de concentração durante a II Guerra Mundial e padeceu a ditadura romena que lhe obrigou ao exílio quando tinha já 50 anos. Depois da queda do regime de Ceaucescu, sentiu-se muito decepcionado com o regresso ao país. Autor de romances e ensaios, O retorno do Hooligan, publicado no Brasil pela Amarilys Editora, é uma de suas mais reconhecidas obras.

Terça-feira, 30/08

>>> Brasil: Livro de Antonio Fogazzaro há muito fora de catálogo ganha nova edição

Num projeto diferenciado da já-conhecida Editora Carambaia. Os exemplares mais antigos de Pequeno mundo antigo datam da década de 1970. A obra do escritor italiano ficou reconhecida pela maneira como explora os conflitos entre a razão e a fé, sob a luz de um catolicismo liberal. O romance ora publicado veio a lume em 1896 e é o primeiro de uma tetralogia que descreve o destino de um jovem casal apanhado em meio a uma luta de compatriotas italianos para libertar o norte da Itália da dominação austríaca. A nova edição tem tradução de Ivone Benedettie posfácio de Ana Nemi.

Quarta-feira, 31/08

>>> França: Morreu Michel Butor, entre todos os representantes da vanguarda literária nouveau roman, fenômeno que aparece nos anos cinquenta, a peça que não se encaixava

Talvez porque fosse demasiadamente cético para entender o materialismo do romance-objeto, mais próxima a um Alain Robbe-Grillet, outro de sus pilares. O escritor morreu na quarta-feira, 24 de agosto,num hospital de Contamine-sur-Arve, oeste da França. Tinha 89 anos. Butor estudou Filosofia e Literatura; foi professor no Egito, Inglaterra e Grécia. Em 1958 regressou a Paris e deu início à construção de uma obra inclassificável formada por romances, ensaios e poemas. Nunca deixou de se interrogar sobre o sentido fundamental da escrita e por isso sempre pareceu um diletante não admitido nos círculos literários convencionais. Sua obra melhor realizada e mais conhecida é A modificação, publicada em 1957.

Quinta-feira, 01/09

>>> Brasil: Embalada pelo sucesso de Clarice Lispector ao redor do mundo e da recepção da coletânea com todos os contos da escritora, editora organiza caixas que reúnem recortes da sua obra

Clarice na cabeceira é uma série editada pela Rocco que apresenta fragmentos da obra da autora de A hora da estrela: Teresa Monteiro organizou uma edição com contos selecionados por gente como Luis Fernando Verissimo, Fernanda Torres, Affonso Romano de Sant’Anna, Rubem Fonseca, José Castello, Maria Bethânia e Luiz Fernando Carvalho; a mesma autora organizou outra edição com crônicas, agora selecionadas por nomes como Eduardo Portella, Ferreira Gullar, Marília Pêra, Maria Bonomi e Naum Alves de Souza; depois Aparecida Nunes organizou textos jornalísticos e José Castello fez uma cronologia com os romances. Estes livros estarão reunidos numa única caixa; ao todo, mais de mil de páginas com vista panorâmica sobre a obra de Clarice. Uma segunda caixa trará em dois volumes fragmentos, frases, enunciados, sensações e pensamentos. Com curadoria de Roberto Corrêa dos Santos.

>>> Argentina: María Kodama escreve sobre Jorge Luis Borges

Um livro que surgiu da insistência do seu agente literário. “Ele insistiu que publicasse as palestras que dou constantemente e procuramos refletir as principais questões em que Borges estava interessado”, contou. Daí foi publicado Homenaje a Borges. O livro é também uma declaração de amor: "Sempre quis que Borges sentisse que eu o amava como pessoa, e não pela sua fama." O escritor deixou os seus direitos de autor em testamento a Kodama em 1975, quando esta era ainda sua secretária.

Sexta-feira, 02/09

>>> Brasil: Duas novas peças de Harold Pinter publicadas

Vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 2005, o dramaturgo, roteirista, poeta, ator, diretor e ativista político britânico Harold Pinter é um dos autores mais influentes do século XX. "A festa de aniversário" e "O monta-cargas" são duas peças escritas em 1957 e agora reunidas pela José Olympio numa só edição. Da fonte do teatro do absurdo de Beckett, “A festa de aniversário” é uma comédia com personagens marcantes e que aparentemente não têm motivação para agir da forma que o fazem e “O monta-cargas” mostra o encontro de dois assassinos profissionais, que esperam as instruções para o próximo trabalho num quarto de hotel.

>>> Bélgica: Era a pergunta do milhão de dólares dos estudiosos da obra de Edvard Munch: qual a origem daquela mancha que se encontra sob o ombro direito?

Análises com raio-X desfizeram o mito de ter sido feita por um pássaro. A mancha é, nada mais que, cera de vela, concluíram os especialistas que examinaram O grito, a versão do famoso quadro pertencente ao Museu Nacional da Noruega. O trabalho foi de um grupo de cientistas da Universidade de Antuérpia. Até agora vingava a tese de que seria um dejeto de pássaro a mancha esbranquiçada que se pode ver sob o ombro direito, isso pelo fato de Munch gostar de pintar ao ar livre e de ver como a natureza influenciava os seus quadros.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa