O sacrifício, de Andrei Tarkovski


Reflexão filosófica sobre o fim do mundo tornou-se o testamento de um dos maiores diretores do século 20

São raros os cineastas que chegam ao fim da vida a ponto de fazerem do último trabalho o seu melhor. Andrei Tarkovski conseguiu isso. O diretor russo já sofria com um câncer terminal no pulmão quando filmou a sua última obra-prima, em 1986. Como padeceu a vida inteira com problemas de censura, produção e distribuição precária de seus filmes na então União Soviética, mudara-se poucos anos antes para a Europa Ocidental. Na Itália rodou Nostalgia (1983). Fez O sacrifício na Suécia, com a ajuda de vários colaboradores habituais de outro gênio, o sueco Ingmar Bernman (que o considerava o maior diretor do mundo, entre os seus contemporâneos), como o ator Erland Josephson, o diretor de fotografia Sven Nyvkist e o figurinista Inger Pehrsson.

O jornalista e ator Alexander (Josephson) faz aniversário e convida os amigos mais próximos para comemorar em sua casa de campo, isolada da cidade. Enquanto o pequeno grupo comemora, a televisão dá a notícia de uma tragédia nuclear de dimensões catastróficas, que provocará a Terceira Guerra Mundial. A iminência do fim do mundo leva cada um dos convidados de Alexander a ter uma reação: de desespero, sono, ou mesmo resignação. É o professor, entretanto, que tem a reação mais interessante. Um típico existencialista, ele até então ignorava com tranquilidade a existência de Deus, crendo apenas no homem e suas escolhas. Mas em um momento de angústia, até o mais ateu se preocupa, e o personagem entra em crise de fé, tentando entender os motivos do fim. Visita a empregada, uma suposta feiticeira, por acreditar que ao fazer amor com ela seja capaz de salvar o planeta. Depois, rende-se, ajoelha-se e reza. É a maneira de o diretor reiterar sua notória espiritualidade e fé.

Além da profundidade filosófica do tratamento, a beleza de O sacrifício deve-se também à presença da música de Johann Sebastian Bach e da exuberante fotografia de Nykvist, que ganhou o prêmio de Melhor Contribuição Artística em Cannes pelo trabalho. O incêndio da casa no final, que dura seis minutos, revela o capricho do diretor de fotografia. Aliás, quando a cena terminou de ser filmada, descobriu-se que a câmera teve um defeito e outra casa precisou ser construída para ser queimada.

* Revista Bravo!, 2007, p.70.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão