Postagens

Mostrando postagens de Outubro 13, 2017

Lolita, amor e perversão

Imagem
Por Rafael Kafka


Lolita não é um romance de amor. Isso é tão óbvio, mas dito com um ar de crítica profunda por pessoas de setores supostamente progressistas que adoram censura baseada em uma leitura apologitiva de obras de arte. O neologismo que emprego aqui serve para designar uma visão na qual as pessoas acham que toda obra de arte serve para enviar uma mensagem grandiloquente sobre a vida, talvez influenciadas demais por livros de Paulo Coelho e filmes de Jim Carrey. O que elas esquecem é que arte é vontade de mostrar algo usando determinada técnica. Nada mais. Mesmo que esse nada mais gere uma série de efeitos e reflexões muito interessantes.
Assim, Lolita não se propõe a ser um romance romântico. Nabokov na verdade nos ajuda a refletir na essência do sentimento amoroso como algo que pode ser bastante pervertido. Pensei nisso quando vi o intenso Love, do brasileiro Gaspar Noé e depois decidi ler comentários sobre o filme em uma rede social. Muitas pessoas dizendo que o filme na ver…