Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 16, 2019

João Cabral de Melo Neto e os campos tristes de Málaga

Imagem
Por Lucas Martín


O vento soprava com uma marcha ruidosa, esmorecida, sobre o canavial comum. Havia ao fundo um verão com lagartixa. O sol insuportável golpeando rudemente, com esse ritmo de umidade decadente que deixa a natureza em Málaga com a síndrome matojo peleón, embutida como uma ilhota. O poeta João Cabral de Melo Neto, em seu traje diplomático, metade sábio crioulo, metade coquetel de penas amarelas, deveria parecer, pisando nos campos, uma espécie de perversão colonial olhando a trama do novo mundo que no fundo era o velho, sobrepondo aos tons do Brasil seu português feito de pensamentos da Europa e das águas dos rios. Despertado pela paixão cigana, com uma lança de flamenco ainda ardendo no estômago, o escritor viu a paisagem da Costa del Sol e teceu um mapa impossível de associações e contrastes com o seu Pernambuco natal, onde, para crescer, até os esgotos estão dispostos a se deixar mimar pela chuva e um dia se tornar orangotangos.
De sua visita a Málaga, a partir da visã…