Oito poemas de amor do antigo Egipto¹

Qenamun e sua esposa. Tumba de Qenamun, ca. 1390–1352 a. C.



Por Pedro Belo Clara
 
 
I.
 
Quando me dá as boas-vindas
De braços bem abertos
Sinto-me como aqueles viajantes que regressam
Das longínquas terras de Punt.²
 
Tudo se muda: o pensamento, os sentidos,
Em perfume rico e estranho.
 
E quando ela entreabre os lábios para beijar
Fico com a cabeça leve, ébrio sem cerveja.
 
 
II.
 
Se eu fosse uma das suas aias
Sempre às ordens
(Nunca afastadas mais do que um passo)
Poderia admirar
A resplandecência
Do seu corpo
Inteiro.
 
Se eu fosse quem lhe lava a roupa, só por um mês,
Seria capaz de lhe retirar dos véus
Os perfumes que se entranham.
 
Por menos do que isso assentaria de bom grado
E seu anel seria, o selo no seu dedo.
 
 
III.
 
Hora de refeição: tempo de ires embora?
Temo que o estômago seja a tua única amante!
 
Para quê a pressa? Porquê ir comprar roupa
A uma hora destas? Porquê inquietares-te, meu amor,
São finas as cobertas da minha cama.
 
Tens sede?
Toma o meu seio,
Exuberante.
 
 
IV.
 
Um botão de lótus a sua beleza
E dois frutos o seu peito.
 
O seu rosto é como uma armadilha numa floresta de meryu
E eu, um pobre ganso selvagem,
Um pobre ganso selvagem a pôr a cabeça dentro da água
Para morder o isco.
 
 
V.
 
Mesmo quando as aves levantam voo
Em ondas e ondas de grande debandada
E nada vejo, fico cega
Porque presa a ti e ausente
Dois corações obedientes no seu bater
A minha vida ligada à tua
A tua beleza o elo.
 
 
VI.
 
Com sinceridade confesso o meu amor;
Amo-te, sim, e desejo amar-te ainda mais de perto;
Como dona da tua casa,
O teu braço colocado sobre os meus.
 
Mas ai de mim, que são libertinos os teus olhos.
Digo ao meu coração: “O meu amo
Foi-se embora. Durante
A noite foi-se embora
E deixou-me. Sinto-me um túmulo.”
E a mim própria pergunto: Não fica nenhuma
Sensação, depois de vires até mim?
Mesmo nenhuma?
 
Ai de mim, sofrendo por esses olhos que te afastaram do rumo certo,
Sempre tão libertinos.
E apesar disso confesso com sinceridade
Que andem eles por onde andarem
Se vierem ter comigo
Eu volto de novo à vida.
 
 
VII.
 
A andorinha canta: “Aurora
                               Para onde foi a aurora?”
 
Assim acaba também a minha noite feliz
Com o meu amor na cama a meu lado.
 
Imagine-se a minha alegria ao ouvir o seu murmúrio:
“Jamais te deixarei”, disse-me.
“Com a tua mão na minha passearemos
Pelos mais belos caminhos.”
 
Além do mais ele quer que o mundo saiba
Que de todas as suas mulheres eu sou a primeira
E por isso já não sofre o meu coração.
 
 
VIII.
 
Encontro o meu amor a pescar
De pés nos baixios.
 
Tomamos juntos o pequeno-almoço
E bebemos cerveja.
 
Ofereço-lhe a magia das minhas coxas
O meu conjuro enfeitiça-o.
 
Notas:
1 Os poemas apresentados, onde a voz feminina ocupa grande destaque, datam de entre 1567 a.C. e 1085 a.C. A sua autoria, infelizmente, já há muito se perdeu. As traduções aqui apresentadas são de Helder Moura Pereira em Poemas de Amor do Antigo Egipto (Assírio & Alvim, janeiro de 2011 – 2.ª edição, revista); as notas adicionais são minhas.
 
2 Antigo reino com o qual, historicamente, o Egipto mantinha relações comerciais. Somente pela graça dos manuscritos egípcios sabemos hoje da sua existência. Porém, permanece uma incógnita o lugar onde, exactamente, tal reino se situava, sendo o denominado “corno de África” a região geralmente aceite. Estendendo-se pela actual Somália e partes do Sudão, Eritreia e Etiópia, entre outros, exportava ouro, resinas aromáticas, ébano, marfim, canela e animais selvagens.

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #592

Boletim Letras 360º #586

O visitante, de Osman Lins

A rainha dos cárceres da Grécia, de Osman Lins

Boletim Letras 360º #591

Cemitério dos sonhos