Boletim Letras 360º #293

As notícias que copiamos da última segunda a sexta-feira em nossa página no Facebook estão, como de costume há 293 sábados, disponíveis a seguir. Aproveitamos a ocasião para relembrá-los que esta é a última semana para se inscrever na promoção que realizamos em parceria com a editora HarperCollins Brasil; o sorteio de um exemplar da belíssima biografia de J. R. R. Tolkien escrita por Humphrey Carpenter acontecerá no próximo dia 26 de outubro. Para participar é muito simples

Uma biografia de Jorge Amado chega às livrarias brasileiras em novembro. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 15/10

>>> Brasil: Peça inédita de Ariano Suassuna ganha edição

As conchambranças de Quaderna é publicada no mês de novembro pela Editora Nova Fronteira. No dicionário regional, conchambrança significa um acordo, um combinado, um conchavo. Escrita em 1987, depois de mais de duas décadas sem se dedicar ao teatro, a peça retoma a personagem D. Pedro Dinis Quaderna, o narrador do Romance da Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. Ele narra a história de duas conchambranças, uma que será confirmada pela lei dos homens e a outra que brinca com os mistérios entre o céu, a terra e o inferno. Quaderna, um sertanejo astuto e sedutor que tenta sobreviver a custo de tirar vantagens dos outros, inicia seus causos com a saga de duas irmãs prometidas em casamento. No dia do esperado matrimônio, o noivo de uma das irmãs resolve que quer se casar com ambas. A segunda história fala de uma mulher traída que é tomada pela dor. Em seu desejo de vingança, ela faz um pacto com o diabo para que ele leve o seu marido traído e a amante para o inferno. A peça já foi editada no volume com o teatro completo de Ariano editada neste mês pela mesma casa editorial.

>>> Brasil: Aquele que é digno de ser amado, o primeiro romance do marroquino Abdellah Taïa por aqui

Ele foi o primeiro escritor árabe a se assumir homossexual publicamente, em 2006. Para muitos homossexuais vivendo no mundo árabe sob opressão político-religiosa, seu rosto é o único com o qual se identificar, a única inspiração visível. Em seus livros, Abdellah Taïa exibe a dignidade do homossexual árabe. Merecidamente, como autor, ele se tornou um ícone de resistência, e sua obra está entre as mais relevantes no que se produz na literatura atualmente. Aquele que é digno de ser amado toma a forma de quatro cartas. Nas duas primeiras, o personagem principal, Ahmed, homossexual marroquino de 40 anos residente em Paris, escreve à mãe, Malika, morta faz cinco anos, e ao amante francês, Emmanuel, que conheceu no Marrocos aos 17 anos e com quem partiu para a França. As outras duas cartas são dirigidas a Ahmed por Vincent, um amante do passado, e Lahbib, um amigo de infância. Essa correspondência se estende por vinte e cinco anos, de 1990 a 2015. Nas cartas, Ahmed questiona e é questionado sobre sua homossexualidade, sua relação com a mãe, seus vínculos com o Marrocos e sua identidade como árabe na sociedade francesa. Ao partir para a França com Emmanuel e adotar a língua e o modo de vida do colonizador, Ahmed ganhou liberdade para expressar sua sexualidade, mas perdeu suas raízes e sua identidade. Aquele que é digno de ser amado é um livro que fala de vários temas: da relação difícil entre mãe e filho, da dor da homossexualidade, do exílio no estrangeiro, da ilusão de emancipação e da submissão cultural. No entanto, sobretudo, é um livro que fala do colonialismo e das relações de poder, e de como eles se refletem na vida afetiva de um homossexual árabe de 40 anos radicado nos dias de hoje em Paris. A tradução de Paulo Werneck sai pela Editora Nós.

Terça-feira, 16/10

>>> Brasil: A casa soturna, de Charles Dickens volta às livrarias brasileiras em novembro

A casa soturna apareceu em 1853 e considerado um dos romances mais sombrios e solidamente construídos do escritor inglês. A trama do romance gira em torno de Jarndyce & Jarndyce, um processo judicial que já dura por algumas gerações sem que consiga evoluir. Os litigantes iniciais já faleceram e ninguém mais sabe ao certo pelo que estão brigando, tendo já se transformado em lenda e piada. Os personagens vão sendo apresentados à medida que tem algum envolvimento com o famigerado processo e a história tem dois focos narrativos: ora é narrado em terceira pessoa, ora em primeira por Esther Summerson, uma órfã que após a maioridade vai morar e administrar a casa de John Jarndyce, seu tutor. O título sai pela Editora Nova Fronteira no âmbito da coleção Biblioteca Áurea.

>>> Brasil: Em novembro, chega a poesia de Manuel António Pina

O poeta português, Prêmio Camões de 2011, ganha uma edição no Brasil que, pela primeira vez, reúne parte de poesia. O coração pronto para o roubo. Poemas escolhidos é uma antologia organizada por Leonardo Gandolfi que sai pela Editora 34. O livro traz ainda um posfácio escrito pelo organizador da obra.

Quarta-feira, 17/10

>>> Brasil: Clássico do decadentismo francês ganha edição no Brasil

J.-K. Huysmans (1848-1907), com o romance Às avessas (À rebours, 1884), tornou-se o escritor máximo do decadentismo francês, o movimento de reação ao naturalismo e à sociedade tecnológica de massas que se anunciava no final do século XIX. Em seu romance posterior, Nas profundezas (Là-bas, 1891), que a Carambaia publica agora no Brasil em tradução inédita de Mauro Pinheiro, o escritor voltou-se para um assunto que desafiava a racionalidade científica e vinha despertando interesse entre alguns setores da sociedade francesa: o satanismo. Em um dos capítulos, a obra profundezas traz a descrição de uma missa negra (satânica), feita, segundo o autor, de acordo com uma experiência verídica. Foi um dos motivos da notoriedade do livro. A par de suas qualidades como literatura e documento, "Nas profundezas" provocou escândalo pela descrição das atrocidades cometidas por um padre satanista da Idade Média e pela dubiedade moral de seus personagens contemporâneos. Leitores pressionaram para que fosse suspensa sua publicação serializada no jornal L’Écho de Paris, o que não aconteceu. Ao ser lançado em livro, a venda do romance chegou a ser proibida nas livrarias de estações ferroviárias. Livro e personagem teriam provocado grande impacto em Oscar Wilde, inspirando a criação de O retrato de Dorian Gray. Do campo literário, a reprovação veio do ex-padrinho artístico de Huysmans, Émile Zola, que reconheceu no romance a intenção do autor de romper com a escola naturalista. A edição agora publicada traz posfácio de Pedro Paulo Catharina, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e membro da Société Huysmans. O projeto gráfico de Lucas Blat faz alusão à missa satânica e à hóstia sagrada, costumeiramente dessacralizada nesse tipo de cerimônia.

>>> Brasil: Os contos completos de Liev Tolstói

Ao eleger o conto como seu principal meio de experimentação literária, Liev Tolstói produziu uma extensa obra capaz de revolucionar as características que consagraram o gênero. Em vez de meramente abordar a urbanização e a introdução das relações capitalistas que o regime tsarista trouxe como emblema dos novos tempos, o escritor voltou sua atenção para as raízes da sociedade russa, marcada pelo estilo de vida agrário que se situava no extremo oposto do processo de modernização das dinâmicas e dos costumes entre os séculos XIX e XX. Esta edição abrange todos os contos de Tolstói ― com exceção dos relatos inacabados e dos textos de maior fôlego, que podem ser classificados como novelas ―, apresentação do tradutor Rubens Figueiredo e um célebre posfácio de Tolstói publicado em 1859, "Quem deve aprender a escrever com quem, as crianças camponesas conosco, ou nós com as crianças camponesas?"

Quinta-feira,18/10

>>> Brasil: Um dos romances mais significativos que corre o período da Alemanha nazista ganha tradução por aqui

1940. Quando seu único filho morre na guerra lutando pelo Führer, Otto e Anna Quangel decidem que não podem mais viver como se nada estivesse acontecendo. Se eles já não simpatizavam com os rumos do país, os privilégios dos membros do partido, o constante medo da vigilância de cidadão por cidadão, os abusos de autoridade e os boatos de horrores inimagináveis, eles agora decidem agir. A partir da história real de um casal de operários e sua inabalável coragem e resistência, Hans Fallada compõe, em forma de thriller, um retrato objetivo e cru dos horrores da vida sob a ditadura nazista. Entre trabalhadores, marginais, pequenos tiranos, acusados e acusadores, o autor apresenta os tipos de uma Berlim sitiada, sufocada pelo vício e pelo medo, mas também marcada pela esperança. Um fenômeno de vendas após sua primeira tradução para o inglês em 2009, Morrer sozinho em Berlim, publicado originalmente em 1947, é um clássico da literatura alemã, escrito por um dos mais populares autores do país no século XX. A tradução de Claudia Abeling sai pela editora Estação Liberdade.

Sexta-feira, 19/10

>>> Brasil: Joselia Aguiar apresenta uma biografia portentosa de Jorge Amado

Um dos mais populares autores de todos os tempos, Jorge Amado foi lido com igual satisfação nos cinco continentes. Marcou não só as letras latino-americanas, mas também a política, os costumes, a TV e o cinema nacional. A primeira, mais completa e atualizada biografia do grande escritor brasileiro Jorge Amado (1912-2001), com acesso exclusivo a documentos de família e cartas de parentes, amigos e outros escritores, além de exaustivas entrevistas e pesquisas no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos, o livro retraça a vida emocionante de um dos mais populares escritores universais do século XX. Autor de clássicos brasileiros como Capitães da Areia, Jubiabá, Tieta do Agreste e Gabriela, Cravo e Canela, com livros que se tornaram sucesso do cinema e da TV, Jorge tem aqui sua vida — de homem, escritor, político, celebridade — recontada com elegância, precisão e fluência quase romanesca. O livro sai pela Todavia.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #292

O anel do general, de Selma Lagerlöf

Lydia, de Pedro Belo Clara

“Por favor, ajuda-me, meu bom Deus, a ser uma boa escritora”

Uma mulher fantástica, de Sebástian Lelio

José Saramago, o ano de 1998

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais

Madame Bovary: erotismo e sensualidade