Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Miacontear - O nome gordo de Isidorangela

Por Pedro Fernandes


Não é apenas no nome que Isidorangela traz um transbordamento de forma. Ela é gorda, 'sobrada' de si mesma. "Ela e o planeta: dois círculos concêntricos. O 'Munomento'". Num tom de galhofa, aliás, este é o conto mais engraçado de todo O fio das missangas, assistimos um narrador às voltas com uma ideia fixa de um pai, que enxerga na Isidorangela, uma espécie de futuro promissor para o filho e claro (!) para própria família. Tudo isso porque a menina, "um algodão-de-açúcar, com seu vasto vestido de roda, toda em pregas rosáceas", nada mais é, do que filha do presidente da câmara, o Dr. Osório Caldas.

Esse conto carrega, na verdade, antes de passarmos ao tão famigerado plano do pai desse menino, traços muito marcantes do pensamento colonizado. A ideia da troca de favores, do jeitinho social para se dá bem na vida, o sentimento de inferioridade perante aos do topo e ainda os veios de um preconceito sob todas as faces - da cor, da linguagem, do corpo - estão aí impregnados.

Mas, voltemos ao enredo. Depois de tanto ouvir os resmungos da mãe tomada de certos ciúmes com toda idolatrização do pai para com o figura do Dr. Osório Caldas, o pai alinha o filho e vão os dois à casa do presidente da câmara. O motivo, descobre, quando a esposa do presidente da câmara liga numa vitrola uma valsa e manda o menino convidar Isidorangela para "voltear". Os dois, o pai e a esposa do presidente da câmara parecem estar mal condunados a oferecer o "Monumento" em casamento ao menino. Ressabido da ideia, mas encantado pelo algodão doce, o menino toma Isidorangela pelo braço e perde-se entre "a agonia dos pés e o deleite dos açúcares desfazendo-se-me na boca".

A dança será motivo para além desse deleite a confirmação ou pelo menos a introdução de algumas suspeitas que deverão ficar em suspense na narrativa. Aliás, Mia Couto, é mestre nisso. Suas narrativas sempre se compõem nos interstícios do sentido e aquilo que pode significar 'isso' também pode, noutra margem, significar 'aquilo'. Aqui, a suspeita de que Isodorangela, na verdade seja sua irmã e isso justificaria três outros pontos em suspense no texto: o porquê da idolatria de seu pai pelo Dr. Osório Caldas, o porquê daquela dança cúmplice de seu pai com a esposa do presidente da câmara e ainda o porquê dessa sua ideia de um casório entre ele e Isodorangela: "E eu senti nela, estranhamente, um odor suado que era, afinal, o meu próprio natural perfume. Senti o cabelo dela, encarapinhado, por baixo da lisura aparente. E olhando, quase a medo, revi sob o redondo rosto a ruga de família, o sinal que eu acreditava ser obra exclusiva da minha genética." ¹


_____________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras 2009, p.63.


Comentários

Nayara Borato disse…
Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Revista Macondo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa