Encontros como Mia Couto

Por Pedro Fernandes

Mia Couto. Foto: Bel Pedrosa.


Toda a vida acreditei: amor é os dois se duplicarem em um. Mas hoje sinto: ser um é ainda muito. De mais. Ambiciono, sim, ser o múltiplo de nada. Ninguém no plural. Ninguéns.

Mia Couto, O fio das missangas


É assim que uma das personagens narradoras finda "A despedideira", de O fio das missangas. Conheci Mia Couto sendo poeta com o livro Raiz de orvalho e outros poemas. E devo essa descoberta a uma amiga que, num desses congressos, tinha consigo uma leitura da poesia do escritor moçambicano. Li, daí alguns poemas; reencontrei outros depois, numa aula de literatura no mestrado e muito tempo depois encontrei com Terra sonâmbula, ainda o único e melhor romance do escritor. Tenho impressão de que, depois desse título dificilmente ele conseguirá escrever outro romance a altura; apesar de ser muito cedo para fazer essa afirmativa. Mas, o contato com outros romances seus permite-me essa previsão: Mia, diferente de escritores como José Saramago, por exemplo, é dos escritores de um livro. Depois, muito depois, fui me encontrar com esse livro de contos O fio das missangas. E conhecendo o poeta, o romancista e o contista que digo, Mia Couto me permanece poeta. Não há como negar que sua prosa é invadida por um lirismo que leva o leitor a pairar dias remoendo uma frase que se destrinçada daria outro texto, certamente.

Talvez justamente por perseguir a ideia de um grande romance, um que sintetize sua escrita, que o escritor, dono de extensa e considerável obra, tenha se tornado um dos maiores escritores moçambicanos que tem livre fluxo pelo cenário das literaturas de língua portuguesa. Admirador de Guimarães Rosa, obra do qual nota-se toda sua verve de influências na sua literatura e de quem herdou a paixão por contar histórias, a obra em prosa de Mia prima pelo fluxo da oralidade e a invenção de uma linguagem própria, catada entre os vários dialetos de seu país.

Além de Guimarães Rosa, Mia se diz admirador de outro brasileiro: Jorge Amado. Este foi o primeiro escritor brasileiro que diz ter andado a ler, segundo deixou dito na sua participação no II Festival Literário da Pipa, dele herda a paixão pelo prosaísmo do cotidiano. Depois desse depoimento tive curiosidade de buscar alguma ressonância do baiano na obra de Mia; confesso que não encontrei. A questão deve ser respondida pelo que Jorge representou para os da geração do escritor moçambicano. A forma como o brasileiro redesenhou pela literatura a alma de um povo, do romancista que revelou o Brasil que há no Brasil, deve ter servido e muito no processo de questionamento e reencontro com sua própria nação. Moçambique, sabe-se, passou por um longo e trágico período de colonização.

Bom, além de Terra sonâmbula (2007), já foi publicado de Mia Couto no Brasil, Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra (2003), O último voo do flamingo (2005), O outro pé da sereia (2006), O gato e o escuro (2008), Venenos de Deus, remédios do diabo (2008), Antes de nascer o mundo (2009), todos editados pela Companhia das Letras. Depois dos romances, há o Mia contista de O fio das missangas (2009), Estórias abensonhadas (2012), Vozes anoitecidas (2013) Cada homem é uma raça (2013). Nos próximos anos, espera-se mais: há a poesia e muitos outros livros de contos que ainda não circulam por aqui. 

O autor nasceu em Beira, Moçambique, em 1955. Formou-se em biologia. Já recebeu uma leva de prêmios significativos, seja por obras isoladas, seja pelo conjunto da obra, entre eles, o Prêmio Vergílio Ferreira em 1999, o Prêmio Camões em 2003 e o prêmio União Latina de Literaturas Românicas, em 2007.

Abaixo copio o poema central de Raiz de orvalho e outros poemas:

*

Raiz de orvalho

Sou agora menos eu
e os sonhos
que sonhara ter
em outros leitos despertaram

Quem me dera acontecer
essa morte
de que não se morre
e para um outro fruto
me tentar seiva ascendendo
porque perdi a audácia
do meu próprio destino
soltei  ânsia
do meu próprio delírio
e agora sinto
tudo o que os outros sentem
sofro do que eles não sofrem
anoiteço na sua lonjura
e vivendo na vida
que deles desertou
ofereço o mar
que em mim se abre
à viagem mil vezes adiada

De quando em quando
me perco
na procura a raiz do orvalho
e se de mim me desencontro
foi porque de todos os homens
se tornaram todas as coisas
como se todas elas fossem
o eco as mãos
a casa dos gestos
como se todas as coisas
me olhassem
com os olhos de todos os homens

Assim me debruço
na janela do poema
escolho a minha própria neblina
e permito-me ouvir
o leve respirar dos objectos
sepultados em silêncio
e eu invento o que escrevo
escrevendo para me inventar
e tudo me adormece
porque tudo desperta
a secreta voz da infância

Amam-me demasiado
as cosias de que me lembro
e eu entrego-me
como se me furtasse
à sonolenta carícia
desse corpo que faço nascer
dos versos
a que livremente me condeno


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão