Nasce uma estrela, de Bradley Cooper

Por Pedro Fernandes



Este é um filme sobre um duplo nascer. Ou um triplo – se considerarmos a gênese do amor entre Ally e Jackson, a história que se passa por baixo da e por entre a história do aparecimento semiespontâneo de um fenômeno musical. E como este terceiro nascimento é consequência do elemento motor da narrativa, fiquemos melhor acomodados ante os dois primeiros, que inclui, ao que parece, o sentido primordial do título desta obra, título, aliás que parece comungar, curiosamente, com um hit que terá contribuído para outro nascimento, este real, o da estrela pop, Lady Gaga, quem figura a personagem principal do filme de Bradley Cooper: Born this wayA star is born.

Esta é a quarta vez que a história de Nasce uma estrela, cujo roteiro original data de 1937, escrito por William A. Wellman e Robert Carson, é levada ao cinema. Neste ano, o drama foi encenado por Janet Gaynor e Fredric March; quase duas décadas depois, em 1954, a história virou um musical com Judy Garland e James Mason. A última versão, antes desta em comentário, foi de 1976, quando o agora conhecido casal Ally e Jackson foi vivido por Barbara Streisand e Kris Kristofferson. Esta foi considerada pela crítica cinematográfica como a pior das três produções; e a considerar os louvores da versão de Cooper, não deixará de ocupar este pódio, embora se diga que a de agora guarde maiores semelhanças com aquela.

A narrativa do filme em que Bradley Cooper estreia na direção que seria de Clint Eastwood reconta em duas linhas a ascensão e queda de uma estrela da música. Enquanto Ally, uma jovem que se dedica a compor nas horas vagas, se apresenta na noite, mas vive mesmo da profissão insignificante num restaurante, é a curva ascendente, na contramão, Jackson, o grande músico e cantor que lhe dá a mão, vê-se um cadente. É esta posição de queda o melhor da história porque ela se constitui de alguma maneira em possibilidade do destino de qualquer estrela, inclusive de Ally, sobre quem nada sabemos do seu futuro pós-estrelato. Depois disso, também é o fio dramático que atribui equilíbrio ao que poderia ser uma monótona historieta de amor com incursões pela música.

Não apenas a narrativa guarda um equilíbrio harmonioso; toda a produção capta esta unidade, desde a escala de cores escolhida pela fotografia, articulando a atmosfera das situações às expressões de cenário. Sobre eles, é significativamente perceptível ao menos quatro gradações: os tons preto e branco da vida repetitiva e nua de sentido de Ally; os tons quentes aquando da aparição do amor entre o par romântico Ally-Jackson; os vibráteis para as situações de ordem e ascese de Ally; os soturnos e pesados para os momentos do drama, que encontram diálogo, de alguma maneira, com os da primeira parte da narrativa, embora não deixemos de perceber que repousa neste desfecho o azulado de um futuro aberto à esperança e ao segundo nascimento, ou melhor renascimento – o do próprio Jackson pela vida de Ally.

Este novo nascer é certamente o ponto alto do filme porque através dele se renova a ideia segundo a qual a arte, de alguma maneira, é uma força motriz capaz não apenas de constituir sentido à mera existência mas a única força possível de subverter o peso do apagamento da vida. A lição pode ser óbvia demais para uns ou romântica demais para outros, mas não deixará de ser, ainda mais tempos que teimam em zelar pelo desprezo do artístico para substituí-lo pela mediocridade das produções de mero consumo, uma das mais belas e necessárias verdades à humanidade. Fora disso, nem mesmo aquilo que dizem ser a força mais preciosa, o amor, perece. Porque antes de tudo, só pela arte compreendemos – para o bem ou para o mal – algum sentido por existir. E esta é, definitivamente, a lição apresentada em Nasce uma estrela. Só isso é motivo para justificar seu valor positivo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #292

O anel do general, de Selma Lagerlöf

Lydia, de Pedro Belo Clara

“Por favor, ajuda-me, meu bom Deus, a ser uma boa escritora”

Uma mulher fantástica, de Sebástian Lelio

José Saramago, o ano de 1998

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais

Madame Bovary: erotismo e sensualidade

Boletim Letras 360º #293