“Pobres criaturas”: ânsias de liberdade (e sexo)

Por Ernesto Diezmartínez




Perto da última parte de Pobres criaturas (Reino Unido, Estados Unidos, Irlanda, 2023), sétimo longa-metragem da bandeira da rara onda grega Yorgos Lanthimos, o advogado bon vivant Duncan Wedderburn (Mark Ruffalo) reivindica sua amante Bella Baxter (Emma Stone) em processo de emancipação que desde algum tempo se torna leitora, deixou de ser engraçada e não fala mais da inusual maneira que fazia antes. Bella levanta os olhos de um livro de Emerson e, tal como uma Diógenes feminina, pede que Duncan se afaste porque está bloqueando a luz do sol.
 
Quando chegamos a este momento do filme vencedor do Leão de Ouro 2023 em Veneza, a história, livremente inspirada no romance de mesmo título do escritor escocês Alasdair Gray (1934-2019), o filme se transformou de uma espécie de versão feminista de Frankenstein ou o Prometeu moderno (1818) em uma alegre e transbordante apropriação sexual das Aventuras de Alice no país das maravilhas (1865). Na verdade, Pobres criaturas também pode ser entendido como uma desconstrução muito divertida e selvagem do mito de Pigmalião. Como a My fair lady (George Cukor, 1964) do século XXI que, nas mãos de Yorgos Lanthimos é, antes, My fuck lady.
 
O roteiro de Tony McNamara aproveitou os principais elementos narrativos do romance de Gray para apresentar a história do crescimento, amadurecimento e libertação de Bella, uma das pobres criaturas do título, criada em plena era vitoriana pelo cientista louco londrino Godwin Baxter (Willem Dafoe) a partir do cadáver de uma mulher suicida e do cérebro de um bebê. Desde o momento em que essa criação, batizada de Bella, abre os olhos para a vida, um excelente aluno de Baxter, Max McCandles (Ramy Youssef) tem a tarefa de estar o tempo todo com a menina, não tanto para cuidar dela, mas para estudá-la e acompanhar a sua evolução.
 
Ou seja, como aprende a andar, a balbuciar, a repetir palavras, a ter as primeiras ideias, a fazer as inevitáveis ​​travessuras, a conhecer o próprio corpo e, de nenhum modo, a descobrir que se se tocar lá embaixo e de certa maneira, é algo bom. A experiência humana de Baxter fica fora de controle quando Bella percebe que a vida não reside apenas no prazer desavergonhado de seu corpo, mas também em entregar-se completamente ao que ela identifica como “saltos furiosos” — primeiro com homens, depois com mulheres — e, em no final, que a própria vida, sem diminuir a importância do sexo, é complexa, interessante e está lá fora, à sua espera, atrás daquelas quatro paredes nas quais o seu criador e o seu amoroso estudioso querem mantê-la trancada. Chegado o momento, Bella descobrirá que não existe nenhum homem — e isso inclui o lascivo advogado Weddeburn — que se sinta seguro diante dela, de sua curiosidade inesgotável, de sua falta de vínculos morais e de seu desejo inafundável de liberdade.
 
A militância feminista do roteiro de McNamara escapa ao didatismo fácil através de algumas estratégias complementares. Em primeiro lugar, o discurso ideológico muito pertinente do filme é transmitido através de uma ambientação delirante em imagens que não permite o descanso do espectador. O design de produção de Shona Heath e James Price apresenta-nos um século XIX europeu retro-futurista que não cabe nos enquadramentos. Desde As Aventuras do Barão Munchausen (1988), do mais excêntrico Terry Gilliam, que não me deparava com um cenário cinematográfico tão cansativo, em que há sempre algo para ver, seja nos exteriores abertos daqueles fantásticos céus de Lisboa, ou nos apertados interiores do bordel parisiense onde nossa protagonista tal como Belle de jour (Luis Buñuel, 1967) se descobre comunista, que isso de praticar a prostituição é apenas mais um respeitável trabalho, pois quem a pratica é dono dos seus próprios “meios de produção”.
 
O outro elemento central Pobres criaturas é o humor, conseguido em parte pela montagem apurada de Yorgos Mavropsaridis — vejam-se as reações dos demais personagens ao comportamento bastante liberal de Bell — e, principalmente, por aquela galeria de personagens excêntricos interpretados por uma distribuição estendida sem qualquer medo de excesso ou ridículo. Nesse sentido, Ruffalo surge como uma verdadeira descoberta cômica no papel do patético homem mulherengo e humilhado, entre o ridicularizado professor Emil Jennings de O Anjo Azul (Josef von Sternberg, 1930) e o traído Fernando Rey de Esse obscuro objeto de desejo (Buñuel, 1977).
 
E, claro, há Emma Stone, que aparece em mais de 90% dos enquadramentos do filme. Sua Bella é um verdadeiro tour de force físico e mental: nós a conhecemos quando ela mal engatinha, a seguimos em seu persistente espanto com seu corpo e o dos outros, e a acompanhamos enquanto desenvolve e amplia sua consciência. É uma atuação notável, talvez o melhor da sua carreira, porque assistimos à sua conversão radical, de um incontrolável bufão — todos os bebês o são de alguma forma — a uma desafiadora feminista avant la lettre que começou a compreender a extensão do seu próprio poder, do seu corpo e da sua vontade. Pobres criaturas? Sim: aqueles que têm que lidar com ela. 


* Este texto é a tradução de “Pobres criaturas: ansias de libertad (y sexo), publicado aqui, em Letras Libres.
 

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #593

Boletim Letras 360º #592

O visitante, de Osman Lins

Boletim Letras 360º #586

Boletim Letras 360º #587

Ut pictura poesis