Blindness

Por Pedro Fernandes




Era a tela nua. Branca. Esticada a minha frente. Um mar de leite espichado retangularmente que marcava seus contornos algumas filas depois de onde me sentara. No meio da platéia. Gosto do meio.Quando as imagens começarem a se deslocar elas melhor me envolvem. No meio.

Confesso que, apesar de minha paixão pelo cinema andar ancorada à da pela literatura, nunca me senti ansioso para estréias em cinema. Até quando da primeira vez que tive oportunidade de ver um filme no cinema. Não muito distante – foi quando da estréia do Titanic – filme que não sei o porquê cheguei a assisti-lo cinco vezes (talvez porque o primeiro que vi no cinema, talvez). Mas dessa vez tive sim ânsia. E das muitas. Cheguei a reler o romance do José Saramago para ir com a cabeça ainda inebriada pela sua narrativa densa.

14h55. A tela veste-se. Propagandas. Trailers. Até que um disco vermelho estampou-se tão próximo, que sequer daria para precisar ser o de um semáforo. A primeira cena. E o desenrolar estonteante da mesma densidade da narrativa saramaguiana inundando o nu da tela por duas horas.

Saí do cinema com os mesmos sentimentos que a obra literária me casou: uma angústia que se instalou desde a internação daqueles sujeitos no manicômio; um enclausuramento que se instalou desde que o mar de leite toma a luz do primeiro sujeito a cegar; a mesma visão acerca do homem, o de quanto somos nojentos; enfim, o sentimento de que ainda nem tudo está perdido. Há uma luz. Feminina. Uma luz.

* Texto publicado no Jornal Trabuco, ano 1, n. 3.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os melhores de 2017: poesia

Os melhores de 2017

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Destaques em projetos editoriais de 2017

Os melhores de 2017: prosa

Os melhores diários de escritores

Os contos natalinos de Charles Dickens

Os sete capítulos esquecidos de Cem anos de solidão

Os livros favoritos de Gabriel García Márquez

A atualidade da tragédia grega