João Gilberto Noll vem ao Festival Literário da Pipa



Um rápido passeio pela web vai dar ao leitor as seguintes informações sobre o escritor João Gilberto Noll: ele nasceu em 1946 na cidade de Porto Alegre (RS). Em 1969, após ter abandonado o Curso de Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde começou a trabalhar como jornalista nos jornais Última Hora e Folha da Manhã. Em 1970, publicou seu primeiro conto na antologia Roda de Fogo, organizada por Carlos Jorge Appel, de Porto Alegre. Em 1970 mudou-se para São Paulo, retornando ao Rio em 1971. A partir de 1974, voltou aos estudos de Letras e passou a lecionar no Curso de Comunicação na PUC do Rio de Janeiro. Em 1980, publicou seu primeiro livro, cego e a dançarina. A partir daí começou a acumular prêmios, como o Revelação do Ano, da Associação Paulista de Críticos de Arte; Ficção do Ano, do Instituto Nacional do Livro e o Prêmio Jabuti.

Noll é um autor prolífico. De 1981 a 2010 já publicou A fúria do corpo, Bandoleiros, Rastros de Verão, Hotel Atlântico, O quieto animal da esquina, Harmada (Prêmio Jabuti), céu aberto (Prêmio Jabuti), Contos e romances reunidos, Canoas e marolas, Berkeley em Bellagio, Mínimos múltiplos comuns (Prêmio Jabuti), Lorde, A máquina do ser, Acenos e afagos, Anjo das ondas. Além disso, ele já recebeu vários prêmios internacionais, teve livros lançados na Inglaterra, foi bolsista e professor convidado na Universidade de Berkeley, nos EUA.

O crítico Karl Erik Schollhammer, em seu livro Ficção brasileira contemporânea diz, “Noll cumpre uma trajetória que o identifica, inicialmente, como o intérprete mais original do sentimento pós-moderno de perda de sentido e de referência. Sua narrativa se move sem um centro, não ancorada num narrador autoconsciente; seus personagens se encontram em processo de esvaziamento de projetos e de personalidade, em crise de identidade nacional, social e sexual”. Noll é presença confirmada no Flipipa, dia 20 de novembro, quando falará sobre sua própria narrativa tendo a participação de Ilza Matias e Carlos Peixoto.


* Via caderno Viver, jornal Tribuna do Norte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão