Miacontear - A infinita fiandeira

Por Pedro Fernandes


Se narrativa muito aprendeu com a poesia, não temos dúvidas desse 'intercâmbio'. O maior aprendizado me parece ter sido não o manuseio com as palavras, mas a própria construção formal - estrutural - do texto. Também não sei precisar se isso foi um aprendizado com a poesia ou um aperfeiçoamento das próprias técnicas de narrar. O fato é que tenho observado nos textos de escritores contemporâneos um modo peculiar de se conduzir a narrativa e o seu desfecho. O movimento empreendido pelo fio narrativo se ajusta e muito ao movimento do fio da poesia. Trata-se de um movimento cíclico. Na narrativa, como tenho dito várias vezes, um círculo que é reta. Acho que sobre isso já falei aqui noutro post e, se não me falta a memória, num post sobre a narrativa de José Saramago, de onde partiu-me essa observação.

O fato de fazer essa observação é que dou conta dessa questão nesse conto do Mia Couto; conto, aliás, que é, do meu ponto de vista, um dos mais bem elaborados quanto à sua estrutura. A leitura desse conto me faz novamente sentir ou ter a impressão da circularidade do texto. Um movimento que prolonga a narrativa ao um estágio infinito ou pelo menos engendra-se um movimento de rotação do texto.

Espécie de fábula, conto popular ou anedota "A infinita fiandeira" é a história de 'aranha-artista'. Seu trabalho é tecer uma inifinidade de teias cujo sentido está em não ter sentido - já que "Todo o bom aracnídeo sabe que a teia cumpre as fatais funções: lençol de núpcias, armadilha de caçador."

Como todo artista, não será diferente no mundo das aranhas, a ideia de valor para seu trabalho é sempre questionada. Afinal, fiar e somente fiar e não ser útil de que serve? Pois bem, incompreendida, a aranha será tida como problemática para os aracnídeos da sua família. Se o mal é da idade, a aranha-artista ainda é virgem, que arranje-se um marido. Depois do casório ela novamente foge à regra do que seria comum a seu mundo. Ao invés de devorar o macho depois das núpcias, ela o leva a conhecer seu mundo de teias e até a ele a escolher uma para si. O fato é que, depois de tudo e da preocupação de todos, a aranha-artista será condenada pelo deus dos bichos a ser enviada para outro mundo. O outro mundo é o nosso. O dos humanos. Assim que aqui chega é interpelada do que faz. A resposta " - Faço arte" soa como que retrógrada nesse mundo de cá. Estamos agora situados num plano cujo sentido da arte foi perdido e os últimos que se deram a fazer disso um ofício foram transmutados geneticamente em bichos. Aranhas, decerto.

Além do plano formal desse conto, devo reparar é nesse jogo metáforico que o autor engendra em torno da perda ou degradação do valor da arte enquanto bem simbólico de "repaginação do mundo". A incongruência, parece nos dizer Mia Couto, não reside apenas nessa constatação de uma degradação, mas a degradação é nascida na constatação de que o artista é sempre um incompreendido no mundo em que vive.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão