Buñuel, o grande provocador

 

 
Por Arturo Aguilar



 
No imaginário coletivo, o nome de Luis Buñuel cresceu automaticamente relacionado ao rótulo de Diretor Surrealista. Enquadrar Buñuel neste movimento artístico que nasceu da prática de diferentes artes e filosofias, de colaborações criativas, com espírito independente e de associações e metáforas arriscadas, é incompleto. Antes de mais nada, Buñuel foi um grande provocador.
 
No início e no final de sua carreira, é possível vê-lo apoiando-se no surrealismo como um veículo natural para propor essas ideias. É o que acontece em A idade de ouro e seu olhar revolucionário sobre as normas da época por trás de uma história de amor, com cenas em que os esqueletos dos bispos, ainda vestidos com seus trajes, dançam e cantam à beira de um penhasco, numa representação sobre o declínio e a queda da igreja, ou com o uso das vozes mutáveis ​​e uma voz em off que aparece e desaparece, como símbolo da multiplicidade de opiniões sociais a serem ouvidas e assimiladas na sociedade moderna.
 
Também notamos o surrealismo em Esse obscuro objeto do desejo, em que mais uma vez uma história de amor nos leva a uma imersão nas obsessões humanas, aos limites e excessos de nossos comportamentos. Nesse caso, nada mais surreal do que mostrar a protagonista encarnada em duas atrizes diferentes, evidenciando a dualidade ou complexidade da personalidade feminina e a imagem de mulher tida pelos homens e que pode mudar em questão de horas ou minutos.
 
Mas é revisitando cuidadosamente toda a sua filmografia que podemos apreciar que, embora o seu lado “surreal” possa aparecer em diferentes graus, a sua intenção provocativa nunca o faz, seja uma simples comédia como A ilusão viaja de bonde ou numa intensa drama como Ele, no qual desmistifica a imagem do homem educado e cavalheiresco, o marido e par perfeito que se torna um monstro permitido pela própria sociedade.
 
Em Ele, observa-se a dinâmica social que estipula para a mulher o papel de mãe e esposa, sujeita ao homem, seu provedor e chefe da família, o que lhe confere um estranho salvo-conduto para fazer o que quiser: traí-la, batê-la, maltratá-la. Tantos anos após o filme, segundo dados da Organização Mundial da Saúde e do INEGI, quatro em cada dez mulheres sofreram algum tipo de violência em seu país. As coisas, então, não mudaram muito: Buñuel já questionava essa idiossincrasia patológica.
 
O extraordinário de Luis Buñuel é que seus filmes continuam levando o espectador a cenas de intensa e atual reflexão, muitas décadas depois da sua morte e do seu último filme. Mesmo pelos padrões de “ousadia” temática ou ideias do cinema contemporâneo, as sugestões reflexivas que nascem com os filmes de Buñuel continuam tão provocadoras quanto então, mesmo acima da grande maioria dos filmes recentes que são classificados como ousados — chamam-se de ousados Spring Breakers (Korine, 2012), Depois de Lúcia (Franco, 2012) ou Crash (Haggis, 2004), mas cuja ousadia está mais na forma do que na substância quando analisada em detalhes.
 
Há muitos outros exemplos em Buñuel: O anjo exterminador e sua brutal radiografia dos instintos humanos; Simão do deserto, em que um homem moderno sonha em ser um anacoreta em penitência que resiste às tentações do diabo, interpretado por uma sensual Silvia Pinal; ou A bela da tarde, o retrato do desejo de uma mulher de romper com sua vida monótona de esposa de médico, cheia de frustrações e fantasias sexuais que a levam a buscar novas experiências como prostituta em um bordel durante o dia; ou Nazarín, um filme em que coloca sobre a mesa a pergunta “poderia Jesus voltar à Terra e viver com os preceitos e valores descritos na Bíblia, na sociedade moderna?”
 
Neles, as ideias provocativas de Buñuel podem ser apreciadas hoje, apesar das inegáveis ​​mudanças sociais das últimas décadas. Assim, em Ensaio sobre um crime, o protagonista é um burguês que sempre se acostumou a se safar e que, como jogo, vem escalando esses absurdos e excessos ao longo dos anos. As notícias recentes na mídia e nas redes sociais sobre os personagens batizados de Cavalheiros ou Damas nada mais são do que a representação geracional daquelas burguesias que essa sociedade estava permitindo e sobrepondo por estarem em círculos de poder e dinheiro. Quer se trate de pessoas de alta classe ou funcionários que abusam de outros apenas porque podem ou por diversão, Ensaio sobre um crime oferece uma sátira à distância de um particular interesse atual.
 
Alguns anos se passaram desde a morte de Luis Buñuel, em 29 de julho de 1983 na Cidade do México. E neste tem sem ele é difícil encontrar um cineasta com maior vocação socialmente provocativa através de uma filmografia ampla e diversificada que sempre deixa algo na cabeça, algo para discutir e assimilar.
 
Sua intenção de criar uma conversa (mental) com seu público é permanente, sugerir ideias que mudem os cenários e dinâmicas sociais aceitas, questionar valores e paradigmas religiosos e saber esconder essas ideias em histórias que parecem simples, e que anos de distância ainda são tão atuais quanto o dia em que foram lançados e continuam a permitir que nos vejamos em um espelho cru, sem inibições, às vezes com simbologias e metáforas surrealistas. Isso pouquíssimos diretores na história do cinema conseguiram. Buñuel, sem dúvida, é um desses grandes. 


* Este texto é a tradução livre de “Buñuel, el gran provocador”, publicado aqui, em Confabulario.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #498

Os nomes que fizeram o nome Saramago

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Boletim Letras 360º #496

Boletim Letras 360º #495

Boletim Letras 360º #497