Os melhores de 2018


Por Pedro Fernandes



Quando por esses dias, alguém me perguntou como foi o ano de 2018, não pude deixar de titubear com a resposta. É que, diferente de outros anos, sobretudo dos dois anteriores, os projetos pessoais tomaram melhor forma e algum rumo. E, por causa disso, sou tentado a responder que o ano foi muito bom.

Mas, como não pertenço ao rol de uns poucos privilegiados que não se comovem com os destinos do seu rebanho, sou levado a modificar a resposta para, não sem algum individualismo, dizer que, pessoalmente foi muito bom, mas coletivamente este ano foi pura desgraça. Vimos triunfar a hipocrisia, a imbecilidade, a ignorância de uma maneira que nenhum dos da minha geração imaginaria ver em plena alvorada de um novo século. E, o pior, já agora que tudo está à beira de um precipício cuja a altura não sabemos alguns continuam a insistir na brincadeira do pagar para ver, quando deveriam ter desistido da loucura.

Para bem e para o mal, essas duas possibilidades, entretanto, têm contribuído para deixar longe aquele desejo que pairou nos anos anteriores em torno desse projeto chamado Letras in.verso e re.verso. Primeiro, sou da tribo dos que, quanto mais se colhe frutos mais se trabalha e quanto mais se trabalha e colhe frutos mais se abre a novas ideias. É bem verdade que as ideias recentes em nada se relacionaram com o blog, mas colocar longe seu fechamento é, sim, alguma ideia. Segundo, em país bloqueado, é tarefa dos que guardam alguma lucidez, trabalhar pela difícil iluminação das consciências. 

Por aqui, se o trabalho braçal ainda é o de uma andorinha, o que, por vezes, imprime certa falta de fôlego para tanto, é preciso dizer que a chegada valiosa de novos colaboradores, extensa parte deles, empenhada em colaborar com a ampliação de nossas estantes e dos debates em torno dos livros e de outras expressões artísticas dialogantes com esse universo, é muito encorajadora. Alguns não sei se aqui voltarão (e não quero citar nomes que o leitor sabe quais são); a vida impõe rumos diversos, muitas vezes, da possibilidade de assumir alguns desejos que à primeira vista pareciam praticáveis. Outros poderão vir, porque o blog fará uma seleção para novos colunistas em breve.

Sobre os que colaboraram, não poderia deixar de marcar este texto o sempre Amigo Alfredo Monte. Eu ainda estava na graduação em Letras quando de uma ocasião em que preparava um curso sobre a obra de Auta de Souza que se chamaria “Em verso e (re) verso” dediquei-me a criar um espaço online para divulgar este evento. Fazia dois anos que o agora Letras in.verso e re.verso estava online com garatujas minhas, cópias de textos alheios que eu lia e achava interessante replicar, numa época, vê-se, quando a partilha nas redes sociais ainda era algo incipiente, e aparece o “Monte de Leituras”; é então quando começo a ler publicações de Alfredo no seu blog que passou a reunir, desde abril de 2009, um acervo invejável de textos sobre as mais diversas expressões literárias brasileiras, clássicas e contemporâneas, e da literatura universal. Anos mais tarde, conversamos por e-mail sobre a sua possibilidade de participar como colunista neste espaço, numa ocasião que este projeto ganhava outro formato: com textos de colunistas e de leitores interessados em escrever e publicar sobre literatura. Alfredo estreou em fevereiro de 2013 com um texto sobre Lima Barreto e continuou até novembro de 2016 com um texto sobre “O pêndulo de Foucault”, de Umberto Eco. Nosso último contato foi aí, mas já sabia o que o tempo havia lhe instaurado por e-mails anteriores e da sua impossibilidade em manter-se fiel colaborador com o blog. E de então acompanhei toda dedicação do crítico para com seus leitores e a literatura, sua maneira de dizer “não” às severas limitações impostas pela ELA. Guardo duas imagens de Alfredo, uma vez que não nos conhecemos pessoalmente: a de dedicado leitor e, talvez a mais cara das lições, certo espírito a Antonio Candido, que para ser acadêmico é fundamental despir-se dos ranços e das arrogâncias da academia. Esta lição pode ser provada e aprendida na simplicidade com que escrevia e falava sobre os livros que lia. A Alfredo Monte um Obrigado pelo empenho dedicado a este blog.

Por fim, não deixo de sublinhar que a ideia de uma lista é recorrente há muito no Letras e há dois anos adotei o modelo que segue: a partir das leituras e das publicações brasileiras que tomei contato durante todo o ano, colijo o que me marcou enquanto experiência de aprendizagem criativa e intelectual. Volto a dizer que não existe aqui qualquer interesse de estabelecer um ranqueamento ou classificação de obras e o elemento motivador de trabalhos como este é o de fomentar o interesse alheio para abrir-se a novas experiências.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas