Fernando Bonassi




Olhei-a. Ela puxou minha mão para o meio de suas pernas, erguendo seu vestido, me pondo num lugar aconchegante, quente, úmido, macio, o melhor lugar dentre todos, o primeiro lugar. Dedilhei-a. Ela gemeu. Eu quis sair. Ela retesou as pernas ... Sem soltar minha mão daquele lugar, ela girou e desceu tirando minhas roupas. Engoliu meu pau com força e dignidade, num serviço vigoroso. Antes de explodir na boca dela, tirei-o dali. Sem deixar que arrancasse o vestido, imobilizei seu quadril na beira da almofada e bebi o que pude.

Fernando Bonassi, em Crimes conjugais


É nesse tom colhido das histórias de um cotidiano completamente invadido pela violência e pelo erotismo que Fernando Bonassi constrói a maioria de suas narrativas. Não é que o escritor tenha como foco de sua produção literária apenas esses dois veios temáticos; esses dois são apenas os mais preponderantes.

Integrante de um movimento literário a que crítica brasileira vem chamando de realismo suburbano a tônica da narrativa bonassiana é o dinamismo da vida urbana. Daí nasce uma narrativa de curto fôlego, mas densa de sentidos, substancialmente híbrida, versátil, em que os componentes textuais do romance estão à serviço dos temas inerentes aos espaços da periferia. Bonassi se filia, assim, ao rol de escritores como Rubem Fonseca e João Gilberto Noll.

Outra característica da narrativa do brasileiro é a introspecção das suas personagens. Vítimas do absurdo das cidades e de um individualismo que lhes torna a escassa existência uma carestia inflacionária, suas personagens nascem de uma complexa relação interior-exterior e estão marcadas pelas experiências das perdas e das buscas, presas na desconfiança e nos sentimentos humanos mais banais.

Fernando Bonassi nasceu em São Paulo em 1962. Tem inúmeros livros publicados, dentre os quais vale citar 100 coisasCrimes conjugais, O céu e o fundo do mar, Prova contráriaSubúrbio. Além dos romances escreveu peças para o teatro, TV, literatura infanto-juvenil e o cinema, sua especialidade; ele é formado em Cinema.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea