Miacontear - Na tal noite

Por Pedro Fernandes


A bem da verdade vale dizer que simpatizei e muito com essa Mariazinha, personagem desse conto. Fazendo uma brincadeira de palavras com o substantivo 'Natal' aqui partido em duas sílabas, 'Na-tal', para estabelecer um fio de duas pontas de sentido. 'Natal', a data de 25 de dezembro, a noite em que Mariazinha recebe, anualmente, a visita de seu "episódico" esposo, Sidônio Vidas, e a noite de uma dessas visitas, 'na tal' noite ou na noite tal. Esse Sidônio traz uma alcunha que lhe singulariza na narrativa; é ele dono de outras vidas, fora essa construída episodicamente com Mariazinha. Trabalha noutro país (supostamente) e lá também mantém família própria, certamente não-episódica como a de Mariazinha.

Nas visitas anuais, Sidônio faz as vezes de Papai Noel. Enche os filhos de presentes. Mostra também por sobre a pobreza dessa família episódica a riqueza em que vive - seja na troca (anual) de carro, dos cordões de ouro que traz ao pescoço, dos anéis que traz nos dedos. Só os presentes para os filhos é que são mirrados ganhando a embalagem sobre o conteúdo. Na tal noite que o narrador relata, Sidônio não mais corresponde aos desejos da carne de Mariazinha. Parte antes de qualquer coisa e deixa novamente a mulher à espera de sua vinda (ou não) para o ano vindoura.

Diferentemente de Maria Metade que nutria um desejo de posse sobre o marido, Mariazinha não padece desse sentimento. Aceitaria até que o marido trouxesse a outra família para junto de si. Possivelmente. Possivelmente porque esse desejo de Mariazinha e a suposta inocência que o nome da personagem possa carregar são ambos posto em suspense. Tem razão Sidônio quando desconfia de Mariazinha quando esta lhe oferece a sobremesa feita com o açúcar do vizinho, o senhor Alves? Se até o momento em que o doce é oferecido a Sidônio não ocorrera nenhum envolvimento com o tal vizinho não sabemos, mas o desfecho do conto acena - ou não, dá mesmo todas as provas - de que Mariazinha não está submissa a Sidônio. Enquanto o marido tem suas outras vidas pelo estrangeiro, enquanto Sidônio não faz as vezes de marido a ela, Mariazinha tem cá também as suas e faz as vezes de esposa com o senhor Alves.

Entendem porque simpatizo com ela? 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Numa catástrofe, quais livros salvaríamos de nossas bibliotecas pessoais?

Varlam Chalámov, contador de histórias

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho