Não dá para ficar em silêncio

Por Pedro Fernandes

Nas redes sociais, Facebook, Orkut e Twitter, muitos tem sido os que compartilharam um vídeo da professora Amanda Gurgel. O desabafo da professora chega numa hora em que o país acorda - ou pelo menos ensaia acordar - para o tema já tão caô nas rodas de professores, alunos e todos os que compõem a rede básica de ensino. No Rio Grande do Norte a categoria, pela milésima vez, cruza os braços reivindicando dois direitos básicos: o cumprimento do piso salarial já aprovado em lei federal e a reestruturação da rede pública de ensino levada ao caos em mais de 16 anos de descaso do poder público estadual. Sabido é que os governos Garibaldi e Vilma de Faria foram decisivos para o atual estágio em que se encontra a educação potiguar. Não bastasse isso o estado tem um déficit de mais de 4mil professores e o estado não sinaliza a realização de concurso público para contratação imediata de profissionais. Não dá para ficar em silêncio nesse momento. Como professor e como conhecedor do que o sistema educacional no Rio Grande enfrenta junto-me à voz dessa potiguar e à voz de outros professores que me chegam por e-mail pedindo que repasse esse grito de indignação. Cito para efeito as palavras da professora Kalliane Sibelle que me enviou e-mail ontem: "Ainda há quem critique a categoria dos educadores por usarem greve como meio de reivindicar o que é de direito seu. Não apenas o Estado do Rio Grande do Norte deveria se envergonhar da péssima condição de sua educação pública, como todos os estados do país. Depositamos nossa confiança todos os anos em homens e mulheres que esbanjam sua condição de vida à custa do trabalho incansável, dia após dia, dos educadores, que procuram fazer dos alunos pessoas melhores. Mas como torná-los pessoas melhores, se os nossos governantes lhes negam a qualidade de um direito básico como a educação? Acreditam que possamos formar realmente e dignamente as pessoas se a dignidade do trabalhador em educação é pisoteada e ridicularizada em público todos os dias? Que o depoimento dessa professora da rede pública estadual do Rio Grande do Norte ecoe nos ouvidos das autoridades, e que estas possam, um dia, envergonhar-se diante da Verdade."

Abaixo reproduzo o vídeo:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas