Zila Mamede para as telas

Por Pedro Fernandes

A atriz Rosamaria Murtinho, como uma mulher tomada pela poesia de Zila Mamede: “O mar é o grande personagem”
Fotografia de Aurora Leão. Em cena a atriz Rosamaria Murtinho como uma mulher tomada pela poesia de Zila Mamede


A novidade vem numa matéria assinada pelo repórter Yuno Silva para o caderno Viver, do jornal Tribuna do norte. Trata-se do curta Pegadas de Zila, rodado entre Natal e Rio de Janeiro pelo diretor potiguar Valério Fonseca. O filme de 11min tem sua estreia nacional no Teatro José de Alencar, em Fortaleza, durante do Festival Cine Ceará. O filme tece colcha poética de retalhos tendo como protagonista a atriz Rosamaria Murtinho, na pele de uma mulher que revive e passeia pelas memórias da poeta potiguar que muito sonhava em conhecer o mar.

O projeto do curta surgiu em junho de 2010, quando, segundo Valério,  voltava de um festival de cinema em Jericoacoara. Na época o diretor fora participar com o curta Maria Ninguém e passava por Natal para rever a cidade. Foi quando ele começou a filmar lugares onde passou sua infância. Valério é radicado no Rio há quase vinte anos. Quando chegou à Praia do Meio, Valério conta que ficou encantado com as imagens captadas e, apesar de conhecer pouco a poesia de Zila Mamede, o nome da poeta não lhe saía da cabeça – sabia da relação que ela tinha com o mar e de sua morte trágica, em 1985, quando nadava no Rio Potengi. É daí que surge o Pegadas de Zila.

O filme foi realizado sem o amparo de leis de incentivo ou editais públicos e levou cerca de 10 meses para ficar pronto. O filme marca-se pelo tom onírico advindo da experimentação do diretor em não se prender a formatos; seu interesse, segundo comenta ao repórter Yuno Silva, é o de não produzir um documentário e nem uma obra de ficção. Como na vida da poeta, o mar é a grande personagem no filme. Rosamaria Murtinho também não interpreta Zila, seu personagem se confunde com a figura da poeta. O filme é fechado com o poema “A Ponte”, musicado por Dudé Viana, o músico que compôs a trilha sonora para o curta.

*

Sobre Zila Mamede, este blog já publicou um série de posts especiais incluídos numa sessão chamada de Itinerários da poesia de Zila Mamede. Também como editor do Caderno-revista 7faces organizei a sua 1a. edição em homenagem a poeta potiguar. Zila Mamede é, para a literatura no Rio Grande do Norte, uma ilha, como foram Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto para a literatura brasileira e mundial. Sobre este último poeta, inclusive, Zila chegou a organizar uma edição publicada como Civil Geometria. Sua mais famosa obra é O arado. Além de poeta, Zila tem importância como a primeira bibliotecária do estado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas