Miacontear - O menino que escrevia versos

Por Pedro Fernandes



Este menino bem poderia ser o último exemplar daquelas criaturas que viviam de fazer arte e que em seguida foram sendo transmutadas para outro universo que não o dos humanos no conto "A infinita fiadeira". Acontece que ele parece ter sido salvo antes do tempo de receber tal condenação. Retomando o tema da 'função' ou 'utilidade' da arte na sociedade contemporânea, no caso aqui específico da poesia, Mia Couto engendra a história de um menino dado a fazer versos e que tem, por isso, a reprovação do pai e o cuidado exacerbado da mãe. Preocupados com o 'mal' do menino, os pais levam-no ao médico e requerem urgência no tratamento do caso.

Alguns elementos nesse conto são indispensáveis de uma observação. Um deles é a presença do pai como o representante de um ordem de dominação, seja pela categoria de gênero que ocupa, seja pela profissão que exerce - a mecânica. O outro é a mãe, sem maiores estudos, dada aos afazeres domésticos e a cuidar do marido. Logo, o cenário ocupado pelo menino é de total emparedamento para o nascimento de uma sensibilidade poética. Entretanto, contra a ordem comum, assim como é a poesia, é justamente nesse cenário pétreo que o menino se lança a escrever versos. O conto me retoma o poema de Carlos Drummond de Andrade em A rosa do povo: "Uma flor ainda desbotada/ Ilude a polícia, rompe os asfalto./ Façam completo silêncio, paralizem os negócios/ garanto que uma flor nasceu." Chama-se "A flor e a náusea", o poema.

***

Dói-te alguma coisa?
Dói-me a vida, doutor.

*
E o que fazes quando te assaltam essas dores?
O que melhor sei fazer, excelência.
E o que é?
É sonhar.

*
Não continuas a escrever?
Isto que faço não é escrever, doutor. Estou, sim, a viver. Tenho este pedaço de vida – disse, apontando um novo caderninho – quase a meio.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas