José Régio

Por Pedro Fernandes



Já um tempo ouvi  "Cântico negro" pela voz de Maria Betânia. O poema é de José Régio. Escritor co-fundador de uma revista batizada de presença, ainda em 1927. O periódico acabou por ser, não apenas o nome de uma revista, mas de uma fase do período modernista português que havia brotado com os seus precursores Álvaro de Campos (o poeta das Odes), Almada Negreiros e Mário de Sá-Carneiro, autores de Orpheu, outra revista literária de curta de vida e longa balbúrdia no meio intelectual lisboeta.

Nascido na Vila do Conde, distrito do Porto, José Régio, foi mais que poeta, de profissão regular, foi professor; ainda na escrita foi romancista, crítico literário, dramaturgo, ensaísta... e teve sua trajetória pelas artes plásticas... compondo-se "uma das mais lúcidas consciências literárias de seu tempo", definido por Isabel Cadete Novais, uma das coordenadoras do Centro de Estudos Regianos.

Indagado a definir seu estilo, o autor de Poemas de Deus e do Diabo - seu primeiro livro publicado (era 1925) e nunca ficado pronto - José Régio atribui a Flaubert e Tolstói suas maiores influências, seguido de Camilo Castelo Branco, Dostoiévski e João Deus, primeiro poeta que leu com a devida consciência e que ficou a amá-lo para sempre. E a lista se estende: António Nobre, Cesário Verde, Gomes Leal, Flaubert, Ibsen, Baudelaire, Stendhal, Eça de Queirós, Proust, Kafka, Musil...

O escritor morreu em 1969 e deixou uma extensa obra literária que podemos, depois de Poemas de Deus e do Diabo, citar na poesia O filho do homem (lido por José Saramago como o livro que o despertou a escrever poesia), no teatro Jacob e o anjo e El-rei Sebastião, no conto História de mulheres e no romance O jogo da cabra-cega.

Ligações a esta post:
>>> Leia "Cântico negro" e outros poemas de José Régio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #323

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325