Ensaio para uma apresentação do "Caderno de desenhos", de Márcio de Lima Dantas

Por Pedro Fernandes

Não faz muito tempo que saiu por aí e por aqui deve voltar a sair em breve, agora que temos uma espécie de coluna para casos do tipo, desenhos de Elizabeth Bishop, Sylvia Plath, Ferreira Gullar e Carlos Drummond de Andrade (desse falamos em primeira mão e até editamos uma amostra). Todos os que escrevem tiveram ou têm, não raras vezes, oportunidades para um passatempo a compor garatujas que podem, se for o caso, serem aperfeiçoadas e ganhar a delicadeza e o traço profissional, como é patente nos desenhos dos dois primeiros nomes citados. 

Fato é que, o desenho deve ser a forma de expressão poética mais antiga do homem. Ainda quando sequer sabia fazer uso da linguagem como vimos aperfeiçoando nesse itinerário em que a espécie se constitui sapiens e, logo, ainda quando nem imaginávamos o trabalho com a palavra escrita, mas já o espírito da poesia habitava essas paragens, fazíamos caricaturas nas pedras, no corpo, como signos de registro ou de celebração.

Tudo isso serve para dizer duas coisas: primeiro, o desenho é também forma de arte e tem uma proximidade histórica muito própria e saudável com a poesia. A voz poética prima pela concisão e pela precisão, o desenho também. A concisão e a precisão primam pelo detalhe e tanto a poesia quanto o desenho também podem ser alinhados por ele.

Segundo é que Márcio de Lima Dantas, um dos nomes mais promissores da cena contemporânea da poesia potiguar, o autor de livros como Metáfrase, O sétimo livro de elegias, xerófilo e Para sair do dia, este aqui duas vezes premiado, o autor de trabalhos de fôlego em torno de João Cabral de Melo Neto e de Orides Fontela, este poeta, decidiu, como fizeram aqueles quatro primeiros, apresentar seus desenhos em público. Publicado numa tiragem eletrônica, Caderno de desenhos, encartado no número 5 do caderno-revista 7faces, é mostra significativa dessa constatação, que não me foi espanto, descobri muito recentemente.


Dois desenhos inéditos de Márcio de Lima Dantas que integram o encarte Caderno de desenhos, encartado na edição de número 5 do caderno-revista 7faces

São dois itinerários ensaiados por Márcio: um, “marcas de ferro” e outro, “Brasília”. Em ambos, ele reinventa ou inventa novas possibilidades. Para a série “marcas de ferro” é o desenho livre, para a série “Brasília”, o artista prefere o traço preciso de um transferidor, todos, feito à mão com lápis.

Como se fossem garatujas infantis, Márcio traduz o primitivismo como transvaloração radical da forma para o estabelecimento de uma possibilidade nova de representação; quer com isso repetir o gesto de poeta que ele é: propor um rompimento necessário na expressão a fim de refundar espaços, pela revisão, ansiar o novo, porque a mesmice e o marasmo são duas coisas caras à breve existência do homem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*