Boletim Letras 360º #245

Muito próximos de atravessar a porteira dos dez para os onze anos online, temos notícias. Os que acompanham este blog desde há muito (e leram nosso histórico) sabem que é a porta de entrada para um amplo território de ideias que aqui nasceram e estão livres na web, fazendo história. Uma das iniciativas nascidas daqui (e sempre com o intuito de chegar a mais leitores e da melhor maneira possível) foi o Selo Letras in.verso e re.verso. Era 2010, e o que primeiro editamos foi um catálogo (muito primitivo — as limitações sempre foram diversas) com fotografias do autor de Ulysses, James Joyce. Revisitamos esta ideia do selo reiteradas vezes interessados em encontrar um nome mais breve que nos representasse e agora chegamos a uma possibilidade; não é muito criativa e é, possivelmente, uma saída um bocado técnica, mas com ela continuamos essa história. Saiba mais aqui. No mais,  terão percebido os mais atentos que o endereço de morada é novo: estamos agora em blogletras.com. A entrada é nova, mas a casa ainda recebe seus visitantes pela trilha antiga e, claro, o conteúdo quer se manter com a mesma qualidade. Agora, passemos às notícias copiadas durante a semana na página do blog no Facebook.

Edgar Brasil e Mário Peixoto. Os criadores de Limite, filme icônico na história da cinematografia brasileira. Mário Peixoto é o homenageado de uma edição que reúne ensaios e inéditos do criador brasileiro que foi também romancista e poeta. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 13/01

>>> Brasil: Mia Couto finaliza a trilogia "As areias do imperador"

Chega às livrarias em março de 2018 o último volume da trilogia "As areias do imperador" (Companhia das Letras), de Mia Couto. O título O bebedor de horizontes conclui a história de amor ambientada nos últimos dias do Império de Gaza, liderado por Ngungunhane no sul de Moçambique. Mia, aliás, vem ao Brasil em novembro para uma série de eventos — como uma nova leitura de poesias ao lado de Maria Bethânia e José Eduardo Agualusa em São Paulo. A informação é de Lauro Jardim d'O Globo.

>>> Brasil: Obra importante de Dalton Trevisan é reeditada e traz texto inédito

O vampiro de Curitiba que deu ao Trevisan o apelido que desde então o define sai pela Editora Record. Assim como um vampiro é capaz de tudo em sua busca pela satisfação do sangue, os personagens dos contos que compõem esta antologia buscam, sem culpa, pudor ou censura, o prazer a qualquer custo. Considerado uma obra-prima do autor, este livro traz Dalton Trevisan em sua forma mais clássica: objetivo, conciso, minimalista e afeito a referências literárias de toda sorte, levando sua mistura de ironia e pessimismo aos extremos mais chocantes e repulsivos da degradação humana. O inédito que agora se apresenta é o conto "A velha querida". Dalton Trevisan foi o ganhador do Prêmio Camões em 2012.

Terça-feira, 14/11

>>> Brasil: Reunião dos últimos sete livros de poesia do autor, em edição bilíngue, a tradução de Josely Vianna Baptista é reeditada

Há muito fora de catálogo, mas a Companhia das Letras publicou nova tiragem de Poesia; esta é uma antologia da maturidade Borges: reúne sete livros de poesia do mestre argentino publicados entre os anos anos 1969 e 1985: Elogio da sombra, O ouro dos tigres, A rosa profunda, A moeda de ferro, História da noite, A cifra e Os conjurados — uma sutil música de câmara confidencia os sentimentos mais íntimos na forma contida, límpida e exata das surpresas tranquilas.

Quarta-feira, 15/11

>>> Brasil: Nova edição da tradução de Álvaro Faleiros para Um lance de dados, de Mallarmé

Este é, nas palavras de Júlio Castañon Guimarães um "trabalho acurado e competente, como exige a dificuldade do poema, propõe como primeira meta o acesso em português ao texto de Mallarmé. Para o crítico, Álvaro Faleiros, entretanto, "estabelece profícuo diálogo com o universo dos trabalhos consagrados ao poema, em que se inclui de modo especial a tradução precedente, realizada por Haroldo de Campos na década de 1970, um marco na apresentação de Mallarmé aos leitores brasileiros. Assim, a tradução realizada por Álvaro Faleiros implica (não apenas no texto em que comenta e esclarece seu trabalho, mas no próprio exercício de traduzir) uma bem-vinda e oportuna renovação e retomada da discussão sobre a constituição e as consequências desse poema, quando desse modo a atividade de tradução se revela também como leitura, interpretação, crítica, criação.

Quinta-feira, 16/11

>>> Brasil: Esta online a edição #14 da Revista 7faces com homenagem ao criador brasileiro Mário Peixoto e poemas de nomes como o do português José Luís Peixoto

Além de fotografias, reproduções de poemas, manuscritos, inéditos, a edição traz ensaios sobre o trabalho artístico literário de Mário Peixoto escritos por Geraldo Blay Roizman, Ciro Inácio Marcondes, Saulo Pereira de Mello, Roberta Gnattali e o cineasta Joel Pizzini. Esta edição organizada por Filippi Fernandes, Pedro Fernandes e Cesar Kiraly foi apresentada nos dias 13 e 14 durante o evento Mário Peixoto. A poesia que reside nas coisas. Somam-se as vozes de poetas de várias partes do Brasil, Portugal e México que enviaram seus trabalhos para compor esta edição,entre eles José Luís Peixoto e Chary Gumeta (poeta mexicana traduzida por Pedro Fernandes). Ao número, os organizadores prepararam um catálogo com farto material de espólio e textos da obra de Mário Peixoto. A revista é eletrônica e gratuita; acessível através deste site.

Sexta-feira, 17/11

>>> Brasil: Uma nova edição para Júlio César, de William Shakespeare

Sai pela Penguin / Companhia das Letras. Esta peça foi escrita e encenada pela primeira vez em 1599 e é a mais famosa das tragédias romanas de Shakespeare e uma das obras que tiveram melhor acolhida durante a vida do dramaturgo. Ao recriar a morte do grande ditador no Senado, a peça oferece algumas das melhores cenas da literatura, como o ardiloso discurso de Antônio incitando a plebe à revolta e a briga e reconciliação de Cássio e Bruto diante da notícia da morte de Pórcia, esposa do traidor. Cuidadosamente traduzida e anotada pelo premiado José Francisco Botelho, esta edição conta ainda com um prefácio de Harold Bloom em que o crítico estadunidense joga luz sobre a personagem de Bruto, considerada por ele o primeiro intelectual shakespeariano.

>>> Brasil: Uma antologia explosiva

Motivos para se indignar. Desigualdade social, racismo, machismo, incontáveis modalidades de opressão e intolerância: quase tudo talvez se resuma à incapacidade — ou seria falta de vontade — de enxergar o outro. 50 poemas de revolta formam uma seleta que por vezes revelam uma ponta de esperança; outras vezes, mergulhados em desgosto, levam o desânimo e a apatia às últimas consequências. De Mário de Andrade a Adelaide Ivánova, de Francisco Alvim a Hilda Hilst, a antologia reúne poemas brasileiros clássicos e contemporâneos que denunciam, cada um a seu modo, os tempos sombrios em que vivemos. Canônicos e novíssimos, os poetas abordam questões assombrosamente atuais e contundentes, mesmo quando parecem tratar de um passado distante.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325