Tribalismo, leituras e debates políticos sem demonização


Por Rafael Kafka

Ilustração: George Tooker


O tribalismo segue sendo um tema que muito me interessa. Ele começou a chamar minha atenção após as eleições do ano passado, no dia seguinte à eleição do presidente Jair Bolsonaro. Naquele mesmo dia, decidi que passaria a estudar as bandeiras políticas defendidas por gente que o apoiou para poder fazer uma crítica mais substancial e concreta do que estava enfrentando. Lembrei-me de uma expressão usada por Terry Eagleton em seu ensaio sobre marxismo e crítica literária: o significante tem significado.

Nas aulas básicas dos cursos de letras, uma das primeiras coisas que aprendemos é que o signo linguístico, seu caráter convencional, é nascido da fusão entre um significante e um significado, uma imagem acústica e um sentido social usual. A fala geralmente deprava esse sentido, expandindo seus usos e por isso mesmo não é estudada, por si só, pelos linguistas. A expressão de Eagleton mostra como a ligação entre significante e significado muitas vezes é transgredida e subvertida pela experiência vivida. Os signos em sua essência não são algo constante e pronto e muitas vezes aquilo que está por fora determina o que está por dentro.

Exemplo claro disso pode-se citar na palavra “vagabunda”. Enquanto usamos seu masculino para falar claramente de homem desocupado, o feminino se refere à conduta sexual de uma mulher em tom condenatório. Podemos aqui tecer hipóteses sobre esse sentido criado pela experiência de uma sociedade machista – provavelmente afirmação de que somente uma mulher sem nada para fazer em casa teria tempo de fazer sexo, pasmem, por prazer -, mas o que importa é que mesmo o dicionário dizendo que “vagabunda” é tão somente o masculino de outro termo a palavra assumiu nova conotação e se falar isso para uma mulher é das piores ofensas possíveis.

Em um sentido mais amplo, as eleições, nas quais fiz campanha contra o atual presidente, fizeram-me entender perfeitamente o maniqueísmo que infesta muitas das vezes a política partidária. Em anos anteriores, isso foi mais intenso e lembro claramente de não me propor a ler qualquer texto cujo léxico envolvia termos como “liberalismo”, “empreendedorismo”, “mercado”, etc. Eu me sentia como deve se sentir um cristão fervoroso diante de uma aparição a qual ele vincula a religiões e seitas demoníacas.

Com o passar do tempo, passei a me propor a ler alguns textos curtos em redes sociais e ver os debates, ou brigas verbais de foice, envolvendo gente de direita e de esquerda. Muitas vezes, as pessoas do meu espectro político levavam a mim vídeos e textos em tom de crítica que na verdade mostravam, em edições ruins ainda, argumentos falhos de gente que defendia posições justas, mas não tinha cabedal teórico para a defesa. Banalizou-se o uso do termo fascista como novo tipo de maniqueísmo de esquerda e muitos de nós não entendemos que os eleitores do atual presidente não são fascistas moradores da periferia e sim trabalhadores que não entendem bem uma política neoliberal ou sujeitos que entendem bem isso e acreditam ser o ideal para sairmos da lama.

Após as eleições, eu me peguei, paradoxalmente, brigando mais com gente da esquerdado que gente da direita. Por mais que o pensamento de violência contra os direitos humanos seja mais comum no espectro destro, penso que isso deve muito ao populismo de partidos desse lado o qual se aproveita do medo das pessoas em relação aos crimes e mortes que tanto infestam a nossa sociedade. A maioria dessas pessoas trabalha demais e pouco tem acesso a bens culturais e assim fica difícil simplesmente demonizar quando o medo é amplificado pela falta de conhecimento sobre um problema sério, ainda mais quando esse problema pode te matar ali na virada da esquina.

Comecei a brigar mais com gente da esquerda porque entendi o que eu era há alguns anos atrás, quando já tinha o poder da crítica literária em mãos. Por mais que haja pessoas que não querem ou não conseguem debater e precisem do botão do block às vezes, há quem queira trocar ideias e podemos aprender muito sobre posições contrárias às nossas. Isso não significa abraçar completamente essas posições, mas tão somente entender um novo modo de raciocinar a realidade em suas diversas nuances e sob diversos matizes, algo que tem se mostrado prazeroso a mim.

Penso que o medo homofóbico de lidar com homossexuais se deva à homossexualidade latente que muitos têm dentro de si e com o qual não conseguem lidar. Esse medo se encaixa dentro do mal maior do tribalismo. Quando nos negamos a ler um texto por causa de seu léxico, a entender um outro ponto de vista para somente depois apontar suas falhas, então assumimos duas coisas: 1) não conseguimos dialogar com aquele texto, por falta de instrumentos teóricos suficientes, e nossa discordância pode estar mais ligada a sentimentos de antipatia; 2) um temor de que aquelas ideias podem tomar conta das nossas e destruir nossas crenças, assim como para o homofóbico num fundo não tão fundo o homossexual representa a ameaça da destruição da lógica criada para o mundo ao redor e para si mesmo, de repente inclusive com o desejo se soltando e quebrando toda uma identidade, como ocorre com o pai militar do excelente Beleza americana.

Por esses dias, uma conhecida, eleitora de Fernando Haddad, postou algo sobre criticando a postura de Ciro Gomes em bienal da UNE. Mas em sua postagem, ela afirma que tanto Ciro como seus eleitores devem repensar as besteiras feitas durante as eleições. Comentei algo falando da postura lamentável do ex candidato e isso gerou um debate no qual fui chamado de termos bem curiosos típicos da esquerda mais pós-moderna universitária: hétero babão, esquerdomacho privilegiado e, no final, o mais surpreendente: soberbo intelectual. O uso ao que parece se deu pelo fato de eu ter afirmado na troca de mensagens em forma de comentários que nós da esquerda devemos entender as demandas sociais e econômicas tidas pelos mais pobres que os levaram a votar em Bolsonaro. Muitos não querem perder o SUS, a escola pública, etc, mas melhorias desses serviços para os mesmos não serem realidades distantes de si.

Em dado momento, fui ironizado, pois dizia muito sobre mim e meu candidato que eu me propusesse em atos contra reformas do governo do futuro estar em eventos ao lado de eleitores de Bolsonaro, por exemplo. Minha resposta foi um pedido para a pessoa tentar mudar a realidade dialogando tão somente com os eleitores dos candidatos de esquerda para daqui a alguns anos conversarmos sobre os resultados obtidos. O mais curioso, porém, foi a crítica da exposição dos hábitos de leitura em minhas postagens diárias – isso daria assunto para um texto imenso aqui. Lembrei de quando mais jovem, uma amiga de então dizia “vai lá ler dez livros para voltares aqui e discutir comigo”. Na época, eu não entendia bem o que era esquerda e direita, mas já lia autores de esquerda e amava as ideias socialista, bem como cultivava muito a arte e defendia justiça social. Minha amiga também. Não obstante, e hoje ela é de esquerda, ela achava criticável meu comportamento de ler vários livros para participar de um debate político qualquer.

Muitos podem dizer que a crítica não é ao fato de eu ler, mas sim ao fato de eu me gabar de ler. Porém olho minhas postagens nas quais falo de leitura e tão somente expresso minhas visões sobre filmes, séries e livros. Em poucos momentos, eu me deparo com debates em minhas redes sociais e muitas vezes para debater sobre filmes preciso ir até os bons cineclubes de minha cidade para trocar ideias. Todavia, o simples fato de em textos como esse aqui citar um teórico marxista e um filme do diretor Sam Mendes parece ser acusatório o suficiente para a pecha de soberba intelectual.

Penso que isso se deve em muitos casos ao fato de que mesmo os membros da esquerda, que se propõem uma visão modificadora da realidade, pouco se propõem a ler sobre ela, preferindo longos debates usando frases feitas e memes. Para tais pessoas, qualquer indivíduo falando de suas leituras recentes, sejam elas no cinema ou dentro do âmbito da literatura, é alguém que está se vangloriando do ato de ler. A meu ver isso, é profundamente indicativo de como nós, em geral, lemos pouco e tomamos como ofensa qualquer pessoa que manifeste o seu gosto pelo ato de ler.

Fico pensando que a imagem ideal de ambiente social é justamente uma sociedade em que cada espectro político consiga ler aquilo que sirva de combustível para suas ideias e depois aquilo que se opõe a elas, com o fito de uma crítica mais consistente e sadia. Mas penso estar sendo utópico demais. Estamos ainda em uma sociedade na qual demonizar o outro lado e usar as expressões mais simples possíveis para defender nossos pontos de vista vale muito mais do que uma troca sadia de visões sobre um mundo melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*