A angústia de Kafka


Por Alfredo Bryce Echenique

Ilustração de Luiz Scalfati


Acostumamo-nos a descrever como kafkianas certas situações inexplicáveis ​​que nos surpreendem muito e que parecem ser o produto da fantasia e não da realidade. O jovem Franz Kafka não imaginava, quando, no leito de morte, confiou a seu amigo Max Brod que queimasse todos os seus escritos, que suas obras se tornariam um verdadeiro mito da literatura universal.

A verdade é que, até recentemente, Kafka era um autor silenciado e proibido em certos países. Na Alemanha, não foi divulgado até depois da Segunda Guerra Mundial; algo semelhante aconteceu em seu país, a antiga Tchecoslováquia e em outros estados da Europa Oriental. No entanto, a força e a dimensão de seu trabalho conseguiram unanimemente interessar os críticos e a maioria dos artistas dos séculos XX e XXI: escritores, pintores, músicos, diretores de cinema etc.

Quando a tuberculose acabou com a vida frágil do escritor, ele tinha apenas 41 anos e seus trabalhos mais importantes, exceto A metamorfose (1915), continuaram inéditos. O tcheco era inseguro e sempre relutava em entregar seus escritos à publicação. É por isso que duas de suas principais novelas, O processo e O castelo, só puderam ser publicados após sua morte, em 1925 e 1926, respectivamente. Além disso, o primeiro, uma obra-prima, é um romance inacabado, encomendado por Max Brod.

Kafka nasceu em uma família de comerciantes judeus de língua alemã. A comunidade judaica de língua alemã era uma minoria em Praga e estava em claro declínio contra a ascensão majoritária dos eslavos. Para os tchecos eles eram alemães e para os alemães eles eram judeus. Essas circunstâncias, juntamente com o mal-entendido dos pais, promoveram um sentimento de auto-exílio e insegurança que acompanhou Kafka ao longo de sua vida. Ele estudou Direito e trabalhou em uma companhia de seguros, uma tarefa que lhe deu tempo para se dedicar à literatura, sua verdadeira paixão e um importante suporte terapêutico. Rejeitou o casamento duas vezes, depois de ficar noivo de Felice Bauer. Praticou uma vida saudável, frequentou fontes termais e spas. E, apesar desses cuidados, contraiu a tuberculose que começou a se manifestar em 1917 e terminou sua vida em 1924.

Lembro que quando li Kafka pela primeira vez, descobri o quão óbvio e palpável o fantástico poderia parecer, o quão real e próximo o absurdo era. A literatura de Kafka, através de diferentes mecanismos, faz com que o absurdo apareça diante de nossos olhos como real e verdadeiro. Essa visão distorcida e deslocada de situações e personagens é capaz de analisar com precisão e exatidão o homem e a sociedade circundante. Para que o paradoxo seja uma ferramenta capaz de abordar o indivíduo de diferentes dimensões e facetas seus heróis não sabem muito bem se o que está acontecendo com eles é sonho ou realidade. Josef K., n'O processo, não acredita que exista um tribunal para julgá-lo, embora no final ele acabe alimentando um sentimento de auto-incriminação. Da mesma forma, em A metamorfose, Gregor Samsa acredita que sua mutação em um bicho é um pesadelo, um pesadelo passageiro que dará lugar à realidade cotidiana. Tudo isso faz parte do método alegórico de Kafka para esclarecer as verdadeiras circunstâncias que cercam o indivíduo, temperadas com uma sutil ironia e ambiguidade que exala por todo o seu trabalho.

Não é fácil imaginar que um dia, ao acordar, nos tornamos um besouro nojento que, apesar de tudo, preserva um coração e paixões humanas. Gregor Samsa trabalha como caixeiro viajante em uma empresa de credores de seu pai. Além disso, é o responsável por apoiar toda a família. Mas um bom dia acorda transformado em um bicho, como Nabokov ressalta, não uma barata, como normalmente é garantido. No entanto, a verdadeira metamorfose não está na personagem, que apenas modificou o corpo; a metamorfose é o que acontece ao seu redor, sua própria família se transforma em seres cruéis e insensíveis. O pai, a mãe e a irmã são insetos.

Franz Kafka escreveu A metamorfose em 1912 e o livro foi publicado em novembro de 1915. O trabalho é considerado uma das histórias mais importantes do século XX, e oferece múltiplas leituras e interpretações. É uma alegoria magnífica da triste realidade do ser humano. Convicções autênticas surgem do absurdo: solidão, angústia, mas não só: também, embora ironicamente, esperança.

* Este texto é a tradução de "La angustia de Kafka", publicado aqui, na revista Nexos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath