No meu tempo

Por Lourenço Duarte

© Sabine Pigalle.



É do poeta Horácio a frase laudatio temporis acti, ou em português o “louvor do tempo antigo”. Este verso da Ars Poetica alude exatamente a isso: o passado é superior ao presente. E de quem pretendia Horácio troçar? Ora, dos velhos que também nós conhecemos. Dos senhores de bengala nos bancos de jardim a mastigar alguma coisa (uma dentadura desobediente, por exemplo), que murmuram de quando a quando “no meu tempo é que era bom!”; das velhinhas à janela, atentas como falcões à menor das imoralidades (um jovem de cabelo pintado, duas raparigas que se beijam) para de seguida rosnar “antigamente...”.
 
Mas a crítica de Horácio estende-se a todos nós. O passado é o sítio mais seguro para se viver. É, por excelência, o token da infalibilidade. E isto porque ele já aconteceu. Por já ter acontecido, mitificamo-lo. Erguemos muralhas de afeto em torno de certas memórias, e nomeamo-las assim guardiãs da nossa felicidade. “Ah, como era bom voltar a ser criança!”.
 
E daqui provém um profundo desencanto em relação ao presente. Mais, em relação ao futuro. O futuro é o lugar imaginário onde os erros do presente só poderão piorar. Quase que dá a sensação de que o tempo em que vivemos será sempre o último antes da grande catástrofe final. Mas (e perdoem matar o suspense) não é bem assim. Ou melhor, já é assim desde o século I a.C.
 
O mundo, na verdade, parece continuar sem o nosso parecer. Nem me lembro de estudar, nos manuais de Biologia, aquela parte em que o movimento de rotação e translação da terra param só para perguntar: “importa-se que aquelas raparigas se beijem, dona Arlete?”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

11 Livros que são quase pornografia

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Franz Kafka, a desordem irremediável

Os filhos de Eros: homossexualidade militar na Grécia Clássica

Romance e ensaio