Literatura no século XXI

Por Gisela Kozak Rovero




Quando Bob Dylan ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, decidi ler os sete volumes de Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust, como uma pequena homenagem aos tempos em que a literatura e os livros eram considerados o ápice da criatividade humana. Aos meus muitos amigos surpresos com minha posição, avisei que era uma escolha pessoal: a escrita em formato de livro para se desfrutar sozinho, casamento feliz e fértil que mudou o mundo para sempre desde a invenção de Gutenberg.
 
Sem menosprezar Dylan, gostaria que Margaret Atwood, Antonio Muñoz Molina ou Amoz Oz ganhassem o prêmio literário mais famoso do planeta. Não esquecia a antiga relação entre poesia e música, evidente na canção, gênero poético onipresente na contemporaneidade; nem a dificuldade de estabelecer os critérios de autoridade que legitimam ou não um determinado discurso como literário. A rigor, Dylan é um poeta que canta ou, se preferir, um músico que escreve poesia. Além disso, sua capacidade de atingir tantas pessoas de diferentes gerações indica que o caminho musical do prêmio Nobel americano é o mais correto para livrar a literatura dos defeitos elitistas que tantas vezes lhe foram atribuídos. O veredicto da Academia Sueca levou em conta a qualidade e a importância do trabalho de Dylan diante da tradição poética de seu país, então não parecia faltar motivos.
 
No entanto, ainda acredito que a Academia fez chover no molhado ao premiar alguém tão renomado em seu campo específico, a música, em detrimento de autores de literatura feita exclusivamente para ser lida. Os livros difíceis têm seu lugar natural no Prêmio Nobel de Literatura, faltava mais. Nesse sentido, o prêmio para Dylan abriu um precedente: por que não o entregar a Chico Buarque de Holanda, Rubén Blades ou Joan Manuel Serrat? No campo da narrativa, Vince Gilligan, criador da grande série de televisão Breaking Bad, pode ser um bom candidato. No século 21, as narrativas transmídia servem não apenas ao mundo dos negócios, mas também aos afãs da literatura: o desenvolvimento particular do universo de George R. R. Martin ou de J. K. Rowling poderia eventualmente atrair a atenção do Prêmio Nobel.
 
Dirão que esses autores estão menos próximos da literatura, como a entendemos hoje, do que Bob Dylan. A verdade é que o estilo literário das canções de Dylan me parece superior à escrita de J. K. Rowling, mas a guerra contra as elites que marca esta época não poupa ninguém, nem mesmo os cientistas que triunfaram contra a Covid-19 ao criar a vacina. Rowling está mais próxima da sensibilidade geral exigida de um épico pop e de uma mitologia que renova o heroísmo das causas sociais da época, associada à aceitação e promoção da diversidade.
 
O presente e o futuro da literatura estão, sem dúvida, relacionados aos universos transmidiáticos e, claro, aos caminhos percorridos pelo mundo editorial como negócio e iniciativa que promove determinados valores. Não é mais a dicotomia do século XX entre grande literatura e best-sellers, com editoras que não ganhavam muito dinheiro, mas tinham o que Pierre Bourdieu chamava de “capital cultural”: prestígio, garantia de qualidade, autores promovidos pela crítica especializada e as universidades. Trata-se de manter como um negócio e fazer sentido para editoras privadas e estatais publicarem literatura, no sentido de arte verbal que questiona sua própria natureza e desafia o desejo de popularidade de massa. Lembremos que seu prestígio cultural e educacional diminuiu, como afirmei em “Século XX: a épica do escritor”¹, artigo anterior desta série. Além disso, as tecnologias digitais possibilitaram fenômenos como fandom e youtubers, que atraem um público jovem que não utiliza os canais tradicionais das editoras.
 
Hoje mais do que nunca, o valor das resenhas e recomendações deve ser resgatado, no contexto não só das mídias impressas e digitais, mas também das redes sociais. Saber usar as redes é essencial. Já não nos satisfazemos, como noutros tempos, com os suplementos culturais do nosso país e acaso algum do estrangeiro; a disponibilidade de publicações em diferentes idiomas aumentou. O desafio educacional é maior, porque a confiabilidade do cânone diminuiu drasticamente. Homero e Shakespeare estão muito presentes na cultura audiovisual atual, porém, os amantes da cultura pop pouco se importam com o parentesco do universo Marvel ou Game of Thrones com essas fontes do passado. Não lerão autores como os mencionados; talvez nem nas faculdades de letras.
 
Rodeados de narrativas em formatos muito diversos, os escritores, enfrentamos o enorme desafio de atingir o segmento do público que possa se interessar pelo romance, o conto, o ensaio e a poesia. Pensávamos que a tecnologia digital nos libertaria do confinamento nos estreitos limites da nação, mas não foi assim; o público nacional continua sendo a chave para ser conhecido, um assunto que nós, escritores venezuelanos, conhecemos muito bem, que perdemos total ou parcialmente a conexão com os leitores de nosso país, dentro e fora dele. Teimosamente, os leitores de literatura preferem o formato impresso e vão às livrarias; aqueles de nós que não estão neste circuito não existem. A Espanha continua sendo o país chave para a literatura na língua de Cervantes e o melhor que pode acontecer a quem escreve um romance é que ele seja publicado por uma empresa transnacional.
 
De qualquer forma, os jovens continuam a fluir para a escrita literária. Precisamente na existência de novos escritores, apesar do declínio do prestígio da literatura, e de leitores fiéis de uma escrita que se encontra na linha dos grandes expoentes do passado, reside o mais forte bastião da arte verbal interessada em desafiar os leitores em vez de agradá-los. As editoras que seguirem esse caminho terão que continuar com um pé nas receitas e outro na aposta literária; inevitavelmente, as adaptações ao cinema, aos quadrinhos, às séries de televisão serão uma garantia de sobrevivência. As editoras de nicho continuarão a proliferar, especializadas, por exemplo, em poesia. Quanto às feiras, teremos que nos acostumar a dividir espaço com youtubers e com jovens autores com pouca leitura e aguçado sentido dos gostos de seus contemporâneos.
 
De qualquer forma, não vale a pena cultivar o pessimismo; é melhor continuar lendo e escrevendo.

 
* Este texto é a tradução livre para “Literatura en el siglo XXI”, publicado aqui, em Letras Libres.

Comentários

Francisco Sobreira disse…
Oa muitos deslizes cometidos pelos votantes do Prêmio Nobel de Literatua, ao longo dos anos - seja excolhendo autores menores, seja "esquecendo" os grandes - me levam a comparar a Academia Sueca com a Academia de Artes e Ciências de Hollywood, esta na entrega da feia estatueta do Oscar.

Postagens mais visitadas deste blog

Os filhos de Eros: homossexualidade militar na Grécia Clássica

Os nomes que fizeram o nome Saramago

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Gótico nordestino, de Cristhiano Aguiar

11 Livros que são quase pornografia

Boletim Letras 360º #507