Hermann Broch: o esteta absoluto

Por Abel Posse




 
Hermann Broch ainda é bem desconhecido fora do âmbito da literatura germânica. Não tem a fama que merece, mas sua prosa se estabelece na lenta progressão das avaliações sinceras e figura como um dos autores das maiores obras do século XX, ao lado de James Joyce e Marcel Proust.
 
Quando Thomas Mann leu A morte de Virgílio, não hesitou em declarar que se tratava “do mais importante poema em prosa escrito na língua alemã”. Estranha honestidade de um escritor comprometido com a narrativa tradicional. Para Aldous Huxley, Broch foi a maior revelação e comoção. O escritor britânico, observador de costumes e de seu tempo, surpreendeu-se com o surgimento desse talento capaz de abolir as fronteiras tradicionais do romance e passar da prosa ao drama e ao poema, como momentos necessários e nunca antagônicos da realidade de nossas vidas. Para Hannah Arendt, Broch seria a romancista que mais conseguiu ir mais longe na reflexão sobre a enfermidade social de seu século.
 
Hermann Broch sabia que ele era tão importante quanto Joyce e não se surpreendeu quando o PEN Clube da Áustria recomendou o nome do escritor ao Prêmio Nobel já no final de sua vida, após o turbilhão do nazismo. Foi Joyce, que o admirava, que em 1938, quando a Áustria foi anexada pelos nazis, obteve o visto de resgate que lhe permitiu exilar-se na Escócia e depois nos Estados Unidos.
 
O escritor alemão nasceu em 1886, em uma das poucas grandes famílias judias aceitas pela aristocracia. Ele se formou engenheiro e por algumas décadas apenas administrou a fábrica têxtil da família. Convertido ao catolicismo, casou-se com Franziska von Rothermann, quase como uma tentativa de não seguir sua vocação, suas paixões literárias (Arendt intitulou seu ensaio sobre Broch como “O poeta relutante”).
 
Sua sensibilidade e talento o aproximaram daquela Viena deliciosamente decadente, naquele Império Austro-Húngaro condenado a perecer sob ferozes pressões. A Viena dos grandes músicos, dos palácios austeros construídos como desafio à permanência, daqueles cafés onde o jovem industrial conheceu Robert Musil, Franz Kafka e Rainer Maria Rilke. Uma Viena infinita, desde o nascimento da psicanálise até a noite interminável de seus sofisticados bordéis e kabaretten. A Viena que se despedia do Império derrotado e onde a cultura foi a última chama da grandeza. Essa força vital que já se afastava do materialismo e buscava um renascimento ainda distante na desordem e nas aventuras estéticas.
 
A guerra de 1914-1918 significou o ponto final, a convulsão decisiva. Broch divorciou-se e com quase quarenta anos passou a se dedicar inteiramente à arte, aos estudos, ao mundo da noite vienense. Viveu um romance com Milena Jesenská e conheceu uma das mais famosas femmes fatales, a também jornalista Ea von Allesch, uma figura de rara e extraordinária beleza. Por ela abandonou Milena, que cairia no escuro labirinto do autor de Franz Kafka, então um desconhecido escritor do grupo de Praga. Ea von Allesch era chamada de “a rainha do Café Central”. Também amante de Musil, ela equivalia a uma hetaira grega, capaz da refinada cultura que os salões daquela Viena exigiam e capaz de posar nua, ou mais, para pagar sua independência.
 
Broch começou sua obra mais conhecida por impulso dela, aquela que lhe deu fama europeia: Os sonâmbulos. Uma trilogia excepcional onde, através de três personagens paradigmáticas, sintetiza o declínio da Alemanha (e da Áustria) entre 1880 e 1920. É uma homenagem tácita a Spengler e, ao mesmo tempo, uma visão inusitada da crise política interpretada na perspectiva da cultura e da crise de valores. Os sonâmbulos, Os Buddenbrook de Mann e O homem sem qualidades de Musil serão as três obras em que a comunidade germânica pressentiu e descobriu os germes da decadência que levariam ao desejo de um renascimento selvagem do nazismo e do fascismo, como o último momento catastrófico de um único processo.
 
O romance com Ea von Allesch, que era onze anos mais velha que ele, dissolveu-se em altercações contínuas. Em 1927 concluiu a trilogia em que Ea é resgatada na personagem de Ruzena.
 
Ao terminar sua obra, Broch entendeu que seu grande compromisso estético estava apenas começando. Nestes três grandes romances, o seu e os de Mann e Musil, prevalece a descrição da decadência e o ritmo pesado da narrativa. O real e o racional excluem a experiência poética profunda. Broch, quando já estava nos primeiros rascunhos de seu maior romance, A morte de Virgílio, tinha certeza de que iria muito mais longe do que seu admirado Joyce. Isso é o que escreveu em suas cartas. Seu Virgílio seria a obra mais alta e esteticamente mais complexa do século. A grandeza de Joyce é verbal. Os Bloom não valiam esforço semelhante. Ulysses é de um realismo decomposto cubicamente, um quebra-cabeça magistral. Broch teria concordado com Jorge Luis Borges, sem deixar de admirar o poeta indireto e transversal, que era a força mais negligenciada e notável de Joyce como escritor.
 
Hermann Broch lançou-se em seu esforço culminante, libertado do encantador turbilhão erótico de Ea e unido à Srta. Anna Herzog, uma excelente secretária com uma projeção para o tálamo. Tudo estava preparado para a subida ao cume. Pretendia concretizar a sua visão mais exigente: “A arte que não é capaz de reproduzir a totalidade do mundo não é arte.” E, mais adiante, se refere ao ponto central do encontro de novas formas expressivas numa ligação necessária com o conhecimento do novo: “Escrever poesia significa adquirir conhecimento através da forma. Todo novo conhecimento só pode ser acessado através de novas formas. Isso significa necessariamente o estranhamento e o afastamento do público tal como é entendido”. (Esse distanciamento no caso de Broch atravessa o tempo, pois sua grandeza ainda não foi de um todo compreendida).
 
Mas aquele monstro que ele tanto temia, a História, destruiu seu propósito. Os nazistas invadiram sua Áustria e, no mesmo dia do Anschluss (a anexação da Áustria ao Reich), Broch foi detido pela Gestapo na prisão de Alt Aussee.
 
Ele nunca quis detalhar aqueles quinze dias nas mãos da polícia nazista. Simplesmente chamou essa experiência de “o Inferno” e nunca contou como conseguiu ser salvo. Escreveu uma série de elegias que mais tarde integrariam os poemas referentes à morte em seu Virgílio. Falou dos enforcados balançados pelo vento na prisão.
 
Sem dúvida, sua alta posição econômica e social na comunidade judaica o ajudou. A intervenção de James Joyce e possivelmente de Einstein conseguiu dar-lhe o visto salvador. Exilou-se na Escócia, na casa de sua tradutora de inglês, Willa Muir, e depois viajou para os Estados Unidos, abrindo-se à experiência da pobreza e da dependência. Sua breve fama literária europeia o ajudou pouco. Os Estados Unidos lhe pareciam uma cultura exótica, selvagem, que o ajudava, mas o deixava solitário.
 
No entanto, naqueles anos ameaçados (ele acreditava que o fascismo se espalharia por toda a Europa, Grã-Bretanha e Estados Unidos), iniciou sua maior aventura, o desafio de livrar a literatura da decadência espiritual europeia (Proust, Joyce, Musil, Mann) e alcançar um renascimento e uma abertura da linguagem voltada tanto para a existência quanto para o mistério cósmico. Quis escrever na clave da grandeza clássica de Höderlin, de Dante, da tradição homérica, de Virgílio. Após o horror da guerra, sentia que a grande arte, “a arte em seu maior destino” (como escreveu Hegel), poderia lançar as bases para o renascimento de uma civilização ocidental corrompida. De alguma forma, participava da estética desesperada — necessária — que obcecara Charles Baudelaire: a suprema vingança da arte contra a extrema baixeza do crime histórico.
 
O romance, se é que se pode usar essa palavra no caso de A morte de Virgílio, foi seu esforço decisivo entre 1938 e o fim da guerra, em 1945. Broch não tinha mais outra atividade. Começar um grande projeto é como entrar num claustro de cartuxos. Finalmente a obra foi concluída e publicada nos Estados Unidos em 1945, com o apoio da Fundação Rockefeller, da bolsa Guggenheim e do PEN club. (Em louvor dessa incrível cultura perdida na Argentina, de editores e criadores apaixonados, cabe lembrar que Buenos Aires foi a primeira cidade do mundo a publicar Broch em 1946, tanto o Virgílio quanto Os sonâmbulos, em admiráveis ​​traduções de Aristides Gregori). O protagonista do romance é o grande poeta romano Virgílio nas últimas dezoito horas de sua vida. A Eneida já foi concluída e, acompanhando Augusto, ele retorna da Grécia ao porto de Brindisi. Ali, em sua agonia, vive a desilusão da arte. Implora a seus servos e amigos que o ajudem a queimar esta obra que o próprio Augusto já considera um “poema divino”.
 
Broch, o judeu exilado na pujante barbárie estadunidense, ligou sua agonia existencial à do distante Virgílio em Brindsi. Ele, vítima do neopaganismo nazista, buscava no paganismo de Virgílio uma resposta para a existência, uma compreensão da ordem cósmica, capaz de conciliar o absurdo e a crueldade com a glória da vida.
 
O camponês de Mântua, o poeta próximo dos antigos deuses que moram em Virgílio, conduz o desolado Broch à sabedoria de compreender que a morte é afogar-se nesse Éter primordial. Saber morrer é saber voltar ao universo após o dia da vida. Sem esperanças metafísicas, sem ameaça de julgamentos ou sentenças atrozes, nenhum perigo de renascimentos.
 
O escritor alemão transferiu-se para aquele Virgílio moribundo que sente que a arte não poderá superar o plano do humano, do acontecer; que nunca alcançará a esfera suprema do mistério do cosmos. (A descrição de Broch da lenta entrada de Virgílio na morte constitui a passagem mais profunda da literatura em prosa de seu século, onde atinge a sublimidade dos três cantos finais da Comédia de Dante.)
 
Broch/ Virgílio avançam rumo ao mistério, rumo ao Aberto, ao inefável; o mistério da palavra os une. Onde, como na visão de Anaximandro, tudo é subsumido: as coisas, os homens, o sonho dos deuses. Todos os entes aí vão-se aniquilando, no brilho do Éter, segundo a inexorável lei do retorno. Broch/ Virgílio veem esfumar-se nesse espaço final as naves de Augusto que chegaram a Brindisi. Sua vida e o mundo circundante se extinguem. O passado encontra o presente. Suavemente o Ser cobre a ilusão da vida imediata.
 
O Aberto, onde tudo o que é criado retorna segundo a Lei fundamental, acolhe em seu silêncio as paixões humanas de Broch e Virgílio. O mistério final é uma névoa iluminada, mas impenetrável, inefável em seu centro. O tempo se recupera em serenidade antes da morte e do fim das coisas. A arte e a poética de Broch trouxeram-lhe uma harmonia de raízes búdicas. A arte foi, na verdade, o itinerário de uma longa iniciação.
 
Hermann Broch, tendo cumprido seu destino de criador, morreu em 1951 de ataque cardíaco, morte súbita, ironia que o impediu de corroborar para si mesmo a “extinção lenta” no Tudo que nos contou por através de Virgílio. 


* Este texto é a tradução livre de “El esteta absoluto” publicado inicialmente aqui, em La Nacion.

Comentários

Luís Fagner disse…
Absoluto é um exagero. Mas é sim um grande escritor. A morte de Virgilio é um dos melhores romances que já li.

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #584

Boletim Letras 360º #579

Os dias perfeitos, de Jacobo Bergareche

Palmeiras selvagens, de William Faulkner

Boletim Letras 360º #580

Fedra de Eurípides, Fedra de Racine