Avatar, de James Cameron

Por Pedro Fernandes



Um filme de riqueza visual sem precedentes. O cenário fictício de Pandora, onde se processam as cenas de Avatar, do diretor de Titanic, James Cameron, é a marca central do filme. Não há um enredo muito elaborado; do contrário, é leve, simples e comum - típico de roteiros hollywoodianos para pequenos filmes: a rivalidade entre bem e mal, sem lugares delimitados; um romance que desabrocha do meio para o fim da película; e só.

Mas o que chama atenção no filme além da avalanche visual e também sonora está fora dos efeitos especiais e do caudal de cenas de aventura. Reside no que muitos chamarão de mensagem pedagógica e que eu prefiro chamar de alerta que este filme transmite: num eventual fim de nossa civilização, como cada vez mais se confirma, o grande responsável de tudo é o próprio homem.

Avatar é uma narrativa sobre a descrença na capacidade humana de reversão de seu estágio atual. Num momento em que parte da ciência não acredita mais em salvação para o planeta em que vivemos em busca mesmo outras possibilidades de vida além-Terra, James Cameron, vem mostrar que, na hipótese de que consigamos isso, não deixaríamos, certamente, de repetir os erros que cometemos ao longo dos outros processos de colonização empreitados.

No mais o que este filme vem nos alertar é para o respeito às diferenças, querela tão em voga nos discursos contemporâneos, mas ainda sem chances de concretização; o respeito para com o meio ambiente, outra das querelices em voga; o mal entranhado nessa sociedade capitalista, de um consumismo sem precedentes. Vê-lo é um pequeno passo para ver a crueldade que somos e talvez um pequeno passo para se pensar diferente sobre nossa condição.

O desastre é que o sucesso do filme já motivou o diretor a transformar Avatar numa franquia e, logo, deve pipocar outros enredos mais rocambulescos para dar continuidade ao que não tem fôlego para se sustentar como um longa-metragem, não fosse esse exagero de efeitos visuais e sonoros, apresentados como uma forma de reciclagem do cinema contemporâneo. Sobre a ideia de reciclagem ainda é preferível dizer a verdade: uma estratégia de pegar o público pelo bolso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*