A memória no museu

Fachada do Museu Câmara Cascudo

A direção do Museu Câmara Cascudo, Sônia Othon, critica a falta de interesse dos que trabalham o turismo na cidade para incluir os patrimônios culturais e históricos nos roteiros dos visitantes.“O que se fala é que eles só levam aos locais que pagam comissão”. As palavras da diretora fazem referência ao roteiro montando pelos guias turísticos de Natal.

A falta de “acordo” entre o museu e os guias estaria afastando o público de fora da cidade. A procura que há na instituição por parte dos turistas é apenas espontânea, portanto tímida, e não existe incentivo das agências de turismo ou do poder público para incluir o patrimônio nos roteiros dos visitantes.

Na opinião da diretora, falta vontade política para que o acesso aos museus aconteça, já que a maioria deles é do Governo do Estado. Segundo Sônia Othon, outras instituições também sofrem com a situação. É o caso do Museu de Cultura Popular, a Casa de Câmara Cascudo e até mesmo o Forte dos Reis Magos. “Chegar em Natal e não visitar o Forte é uma falha. Ele foi o primeiro museu do estado”, destacou a diretora.

*

A notícia-denúncia apresentada no Portal No Minuto só vem reforçar o descaso do Rio Grande do Norte para com a própria memória. Na verdade, parece que somos o único país no mundo que só interessa mostrar aos de fora as belezas naturais e os luxos de bons hotéis e Resorts enquanto o patrimônio histórico-cultural é posto à margem e às escondidas, dado ao conhecimento apenas daqueles que se aventuram em procurar novidades do tipo quando para vem cá.

Esse descaso eu já havia percebido quando de uma visita a cidade antiga de Natal e tive minha câmera levada por assaltantes, justificando, desde já, que o descaso para com o patrimônio histórico não se resume apenas a não inclusão deste no roteiro turístico, mas é o total abandono para com a segurança e preservação do patrimônio.

Mais certeza a gente tem disso quando visita o Instituto Geográfico ou arquivos como os do Jornal A república ou quando visita corredores de instituições que devem cuidar do patrimônio histórico-cultural do estado. Há por todo lado gente desqualificada na gestão e atendimento do público; há por todo lado uma extensa quantidade de material que se perde à sorte do tempo porque não são acomodadas de forma adequada.

Aliás, grande parte das instituições desse tipo no Brasil serve apenas para abrigar conluios políticos, dado o gritante despreparo das pessoas que lá trabalham em lidar com essas questões. São pessoas totalmente desprovidas de sensibilidade para com a questão. O problema do Museu Câmara Cascudo denunciado é apenas uma gota do grande copo de água que é a questão do descaso para com a memória, a história e a cultura neste estado e neste país.


Comentários

Yuno Silva disse…
fala Pedro, muito bacana seu blog... acabei topando por aqui quando estava procurando novidades sobre os museus.

Deixo meu comentário neste post (com o justificativa da direção do MCC) por acreditar que não se pode aplicar o efeito 'tostines': o museu não tem atrativo pq não tem visitantes ou será que não tem visitante pq o museu não tem atrativos.

Infelizmente a falta de interesse do poder público (inclui aí a própria UFRN) em construir e solidificar a identidade cultural do potiguar é gritante.
Pedro Fernandes disse…
Pois é, Yuno me parece que todos padecem de uma esclerose múltipla para com o caso.

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas