Fractais para uma leitura da constituição discursiva do romance Memorial do Convento, de José Saramago

Por Pedro Fernandes



O termo fractal foi criado em 1975 por Benoît Mandelbort. A referência é de conceituar aqueles objetos cujo tamanho não se deixam caber nas definições tradicionais da geometria euclidiana. Esses objetos em suas partes separadas repetem padrões. Embora o termo não seja a questão, foi utilizado com esse sentido (conceitual) para a literatura de José Saramago, tendo em vista que, mesmo repetindo padrões já determinados pela ciência da literatura, sua obra constitui expressão singular que analisada em conjunto demonstra-se fabricada por elementos repetíveis: como por exemplo, seu estilo que atribuiu novas funções para o comportamento da sinalética narrativa. 

Além disso, o conceito de fractal é mesmo utilizado em algumas circunstâncias pela própria literatura desse escritor; veja-se o caso explícito do duplo em O homem duplicado ou das caracterizações espaciais em Todos os nomes. Sobre o aspecto arquitetônico aproveito para recomendar o excelente estudo do Professor José Joaquin Parra-Bañón, Pensamento arquitectônico na obra de José Saramago (Editorial Caminho, 2004).

O termo, portanto, refere-se aqui a uma estética do fragmento e da repetição. E ele integra o título que dei para uma fala minha na sessão coordenada Linguagem e Discurso no IX Encontro Nacional de Interação em Linguagem Verbal e Não-Verbal, na segunda-feira, 20 de setembro, na Universidade Federal da Paraíba. 

Esta fala é significativa porque retoma, publicamente porque particularmente numa foi abandonada, minha aproximação com a literatura de José Saramago.  Ela nasce do entendimento de que prosa do escritor português é marcada em diversas posições por uma cadeia também diversa de possibilidades de sentido e de ação. Tal cadeia se é constituída por um trabalho de cunho quase que artesanal com a linguagem, o que, reintroduz uma rede material e virtual de sentidos, reconfigurados estes por um corredor de vozes advindas dos grupos mais inesperados. Esse corredor de vozes é o que vai modelando e dando forma à narrativa: são jogos (circulares) de metáforas, alegorias, ironias, subversões e metatextos.

Outro entendimento para esta fala nasce do caráter temático; a prosa de José Saramago é inovadora por refletir sobre o trabalho das ideologias, introduzir uma revalorização das vozes silenciadas no intercurso da história, promovendo, destarte, um desencaixe do dito pelo interdito, do oficial pelo que poderia ser, sem parecer piegas ou panfletário.

Esta fala se constituiu em três movimentos distintos e complementares entre si. No primeiro – o texto – uma breve análise dos espólios sequenciais narrativos e a formatação da história narrada, seus elementos (aqui dou vez ao tempo e ao narrador) e temáticas, como a de refacção da materialidade histórica; no segundo – o contexto – uma breve relação entre alguns dos fatos narrados e os fatos históricos a que remete a narrativa; e, no terceiro – o intertexto – uma breve relação do romance com ecos de outros textos da tradição literária portuguesa já continuamente reiterado por outros leitores da obra do escritor português; são ecos de Os lusíadas, de Camões, da Mensagem, de Fernando Pessoa, da sermonística Padre António Vieira e do Padre Bartolomeu de Gusmão; obras populares, como O diabinho da mão furada, de António José da Silva; narrativas bíblicas e da cultura popular e os contos orais e outros textos visuais como os desenhos apócrifos da passarola do padre Gusmão.

Como resultado, esse processo de leitura busca entender o romance saramaguiano como texto dialético em que nele se fundem história e ficção, tradição e modernidade, passado e presente, num jogo complexo, nem sempre harmônico, difícil de precisar limites e abarcar fronteiras; trata-se de um modelo literário típico do que a alguma parte da crítica já terá denominado de pós-modernista.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #583

Sete poemas de Miguel Torga

Boletim Letras 360º #578

2024: O ano em que G. H. virou um palimpsesto

Boletim Letras 360º #582

Palmeiras selvagens, de William Faulkner