Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Lavoura arcaica, de Luiz Fernando Carvalho



A primeira é mais difícil tarefa do diretor Luiz Fernando Carvalho foi traduzir em linguagem cinematográfica o discurso literariamente complexo do narrador / protagonista do romance homônimo de Raduan Nassar sem perder a intensidade da palavra. A solução de Carvalho foi utilizar, pela voz do personagem principal, André (Selton Mello), quase todo o texto do livro. 

Coordenados com a narração, imagens e sons trabalhados até os detalhes fazem do filme tanto uma precisa transposição do romance para outra linguagem quanto recriação inventiva do texto original.

O enredo se desenvolve a partir da volta de André, o filho desgarrado, ao convívio da família. O reencontro tenso discute as incongruências entre os valores tradicionais da família libanesa, as relações de poder estabelecidas na casa e os desejos reprimidos, mas não aquietados de André.

A coexistência do fato narrado com um passado angustiante e da imagem no presente faz com que a ideia fatalista em relação ao destino das personagens seja intensificada. A força da palavra do narrador (que já conhece a história do começo ao fim) dá um caráter transitório e parcial à imagem dos personagens em ação e à construção gradual dos valores idealizados dessa família e cria a expectativa de uma desconstrução desses valores, que não se coordenam com os desejos dos envolvidos.

Vencedor de cinco prêmios no Festival de Cinema de Brasília de 2001, incluindo Melhor Filme. 

* Revista Bravo!, 2007, p.111.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas