Nosferatu, de Friedrich Wilhelm Murnau



A obra-prima do vampiro expressionista que já foi imitada e celebrada, mas jamais superada por qualquer outro cineasta

Nas artes visuais, o expressionismo surgiu como resposta amarga, no transcorrer da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), ao lirismo do anterior impressionismo. É também, como diz o termo, a expressão de algo que está por detrás, sobretudo do inconsciente humano. No cinema, foi o alemão Robert Wiene seu precursor, com O gabinete do Dr. Caligari  (1919), no qual representava distorções estéticas (sobretudo nos cenários, bastante gráficos com suas casas e ruas tortas). Mas foi Friedrich Wilhelm Murnau quem o levou adiante, dirigindo a obra-prima Nosferatu. O que Wiene mostrava, sobretudo, na geometria dos espaços, Murnau explorava no rosto do vampiro e no jogo de sombras, movimentos de câmera e uso de lentes que deformam e embaçam a imagem. O cineasta, assim, chegava a outra característica expressionista, que é pôr à vista os fantasmas do inconsciente do homem.

O diretor adaptou o romance Drácula (1897), do escritor irlandês Bram Stoker, mas, por ter esbarrado nos direitos de adaptação, trocou o nome do personagem. Um pouco por causa disso, o horror de Nosferatu é diferente da mitologia e dos clichês sobre o vampiro que a tradição cinematográfica posterior construiu a partir da obra de Stoker, como os longas estrelados por Christopher Lee nos anos de 1950 e 1960, produzidos pela Hammer. No filme de Murnau, o vampiro é o Conde Orlok (Max Schreck), que se apaixona pela imagem da esposa do agente imobiliário que o visita em seu castelo, no Cárpatos. Num navio carregado de ratos, ele parte em busca de sua amada.

Schreck submeteu-se a um extremo trabalho de preparação para o papel a fim de compor uma imagem exótica e assustadora (na época, o filme foi proibido na Suécia tamanho o seu terror), que carrega o drama de destruir aquilo que ama.

Esse viés trágico-romântico foi retomado por Francis Ford Coppola em Drácula de Bram Stoker (1992). Nela, o diretor americano fez inúmeras homenagens ao filme de Murnau, como a de navio e do vampiro levantando-se ereto do caixão. Outro alemão, Werner Herzog, refilmou com fidelidade e espírito romântico o que seria uma referência mais íntima ao longa de 1922. Nosferatu, o vampiro da noite (1979), com Klauss Kinski repetindo os dentes afiados e orelhas pontiagudas da composição de Max Schreck.

* Revista Bravo!, 2007, p.82


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath