Asas do desejo, de Wim Wenders

Cena de Asas do desejo. O mundo desencantado da imortalidade foi filmado em preto-e-branco.

Fábula poética sobre anjos coloca a imortalidade em xeque, em favor dos sentimentos humanos

Dos três grandes diretores do chamado "novo cinema alemão" da década de 1970 - os outros são Werner Herzog e Rainer Werner Fassbinder - Wim Wenders foi o que atingiu maior popularidade, até por ter tido a chance de trabalhar em Hollywood. Depois de conquistar os cinéfilos com títulos como Alice nas cidades (1974) e O amigo americano (1977), Wenders foi  para os Estados Unidos no início da década de 1980, onde enfrentou sérias dificuldades para rodar Hammett (1982). Em seguida, tornou-se mais conhecido do grande público com o memorável Paris, Texas (1984). De volta ao país nata, gestou sua segunda obra-prima, Asas do desejo, pelo qual ganhou o prêmio de Melhor Diretor em Cannes (Paris, Texas, levar a Palma de Ouro em 1984).

O filme é protagonizado por dois anjos, Damiel (Bruno Ganz) e Cassiel (Otto Sander), que observam o cotidiano de Berlim no pós-guerra e tentam confortar as almas perdidas e perturbadas. Cansados de sua imortalidade vazia, invisível e despida de emoções, eles invejam os humanos e seus sentimentos, sensações e sentidos - para evidenciar isso, o mundo dos anjos é mostrado em preto-e-branco e o dos homens, em cores. A dupla se entrega a poéticos monólogos interiores sobre a condição de criaturas condenadas a não sentir, apenas pensar, e a biblioteca onde passam horas lendo intensifica a distância entre o intelecto e o coração. Até que Damiel resolve renunciar à essa vida perene para viver um romance e se apaixona por Marion (Solveig Dommartin), uma bela trapezista de circo. Wenders ilustra os devaneios metafísicos dos anjos com passeios de câmera, paciente e contemplativa, por ruas e arquitetura da cidade.

A partir dos anos 1990, o diretor viu sua carreira entrar em um ritmo desigual. Para cada trabalho do nível de Buena Vista Social Club (1999) e Estrela solitária (2005), fez filmes irregulares como O fim da violência (1997) e O hotel de um milhão de dólares (2000) - todos resultados de sua segunda estada na América. Seu melhor momento à época foi a continuação de Asas do desejo, Tão longe, tão perto (1993), do remake hollywoodiano Cidade dos anjos (1998), em que a poesia do filme original deu lugar ao melodrama barato.

* Revista Bravo!, 2007, p.85.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Varlam Chalámov, contador de histórias

Boletim Letras 360º #323